Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Mensagens : 244
Data de inscrição : 25/03/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 3/12/2018, 12:18
Uma queda no dia 16 do reboot.

Primeiro, estou realmente envergonhado de mim mesmo, pois faz tempo que não passo dos 30 dias. Fico 15, 20 dias limpo, as vezes um pouco mais e caio, isso está me deixando frustrado. Preciso experimentar períodos maiores de abstinência. Na verdade, faz tempo que meu padrão tem sido esse. Meu recorde foi 60 dias, e isso foi no mês 5 desse ano. Pouco depois fiquei 43 dias. Não entendo porque não consigo manter um período maior...se ficar 28 dias pra mim é relativamente normal, porque não fico logo 60 ou 90?

É evidente que os benefícios são vários por manter esse padrão, comparando com a vida de alguém que tá mergulhado no vício, como falou o Leao Lipe aí em cima. Mas ta na hora de galgar metas maiores, ir mais longe. Estou sentindo essa necessidade.

Essa queda ocorreu devido ao fato deu ter ficado doente. Sempre que adoeço, fico muito fragilizado, preciso urgentemente aprender a manter o reboot nesses períodos. Conta também o fato de que estou a alguns dias sem me exercitar - é até difícil, pois me sinto mole e fraco, não sei ao certo o que fazer. Talvez se eu tivesse feito algum exercício eu não tivesse caído. A parte mental fica mais fraca também, eu percebo claramente isso...é realmente um período extremamente vulnerável. Essa queda poderia perfeitamente ter sido evitada. Os bloqueadores são o que mais salvam nesses momentos, mas eu intencionalmente dei um jeito. Na verdade, a fraqueza maior foi muito mais da parte mental do que sistema de bloqueio, efetivamente falando.

Vou no médico por esses dias, acho que tem alguma coisa errada comigo, estou com um quadro persistente de tosse e outros sintomas. Tomara que eu não esteja com nada grave.

Retomando o reboot imediatamente (quero chegar no final do ano com uma boa quantidade de dias, hehe, não vou me perdoar se isso não acontecer). Não sei bem qual vai ser minha estratégia pros próximos dias, estou realmente me sentindo muito mal. Vou investir tudo no bloqueio e na abstinência total de computador, pelo menos enquanto eu me recupero, aí depois eu retomo minha rotina de exercício físico e dopamina saudável.

Acho que por enquanto é só. Até a próxima.

_______________________________________
avatar
Mensagens : 415
Data de inscrição : 24/03/2018
Idade : 19
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 3/12/2018, 19:21
vierkenes escreveu:Uma queda no dia 16 do reboot.

Primeiro, estou realmente envergonhado de mim mesmo, pois faz tempo que não passo dos 30 dias. Fico 15, 20 dias limpo, as vezes um pouco mais e caio, isso está me deixando frustrado. Preciso experimentar períodos maiores de abstinência. Na verdade, faz tempo que meu padrão tem sido esse. Meu recorde foi 60 dias, e isso foi no mês 5 desse ano. Pouco depois fiquei 43 dias. Não entendo porque não consigo manter um período maior...se ficar 28 dias pra mim é relativamente normal, porque não fico logo 60 ou 90?

É evidente que os benefícios são vários por manter esse padrão, comparando com a vida de alguém que tá mergulhado no vício, como falou o Leao Lipe aí em cima. Mas ta na hora de galgar metas maiores, ir mais longe. Estou sentindo essa necessidade.

Essa queda ocorreu devido ao fato deu ter ficado doente. Sempre que adoeço, fico muito fragilizado, preciso urgentemente aprender a manter o reboot nesses períodos. Conta também o fato de que estou a alguns dias sem me exercitar - é até difícil, pois me sinto mole e fraco, não sei ao certo o que fazer. Talvez se eu tivesse feito algum exercício eu não tivesse caído. A parte mental fica mais fraca também, eu percebo claramente isso...é realmente um período extremamente vulnerável. Essa queda poderia perfeitamente ter sido evitada. Os bloqueadores são o que mais salvam nesses momentos, mas eu intencionalmente dei um jeito. Na verdade, a fraqueza maior foi muito mais da parte mental do que sistema de bloqueio, efetivamente falando.

Vou no médico por esses dias, acho que tem alguma coisa errada comigo, estou com um quadro persistente de tosse e outros sintomas. Tomara que eu não esteja com nada grave.

Retomando o reboot imediatamente (quero chegar no final do ano com uma boa quantidade de dias, hehe, não vou me perdoar se isso não acontecer). Não sei bem qual vai ser minha estratégia pros próximos dias, estou realmente me sentindo muito mal. Vou investir tudo no bloqueio e na abstinência total de computador, pelo menos enquanto eu me recupero, aí depois eu retomo minha rotina de exercício físico e dopamina saudável.

Acho que por enquanto é só. Até a próxima.

Cara, se tu acha que teu reboot tá esganado nos 28 dias e não passa daí, então significa que tu precisa se desenvolver mais, desenvolver mais estratégias, se esforçar mais ao ponto de dar o teu máximo mesmo, 100%. Só assim tu vai conseguir grandes metas, bem maiores do que 60 dias, te garanto irmão.

Abração!

_______________________________________






MEU DIÁRIO
http://www.comoparar.com/t7233-virando-o-jogo#177280


'''Aqueles que cultivam o hábito da persistência parecem ter um seguro contra o fracasso'' - Napolleon Hill


“O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo.” - Winston Churchill
avatar
Mensagens : 244
Data de inscrição : 25/03/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 4/12/2018, 12:37
Valeu pela dica, Marker! Vou dar uma olhada no seu diário pra ver quais estratégias você desenvolveu no seu processo, talvez me seja útil.

Dia 1 do reboot.

Acordei agora de manhã me sentindo um pouco melhor.

Percebi que o segredo é não ficar parado e fazer as coisas se movimentarem. Eu até estou com vontade de arrumar a casa (tá caótico aqui, isso é ruim), mas é uma péssima ideia, se eu for limpar alguma coisa, é possível que isso agrida meu corpo e eu fiquei ainda pior. Senti também uma pequena vontade de correr, se eu for fazer algum exercício, vai ter que ser leve. Hoje faço alguma coisa, nem que seja um pouco que seja.

Percebi também, de forma muito clara, que cair hoje seria uma questão de ESCOLHA. Por um momento eu tive uma ereção, passou rapidamente pela minha cabeça a ideia de consumir P (por causa da queda de ontem, é evidente), mas meus dois anos ou mais de fórum me ensinaram que, nesse momento, isso seria uma escolha. Com isso claro, o caminho fica mais fácil. O problema mesmo é a falta de dopamina, pois nesse estágio, a queda se torna mais uma questão fisiológica do que de escolha. Mas podemos, é claro, optar por se mexer, ao invés de ficar parado, e aí está resolvido o problema.

Vou também evitar o fórum. Se eu sentir vontade de postar aqui, eu venho, mas no geral, acredito ser melhor evitar. Percebi que é bom ficar distante de qualquer coisa que remeta à P...é bom nem mesmo ler essa palavra ou relacionadas. Isso ajuda muito a se desligar disso, a limpar a mente. As vezes eu sinto agonia só de ler ou ouvir essa palavra, não sei mais alguém sente isso. Como se só isso pudesse servir de gatilho, ou ativasse ainda que levemente alguma coisa em meu cérebro.

Apesar da queda ontem, minha confiança se mantém. Meu método está claro pra mim (ainda tem o que aprimorar, mas no geral está bom).

Um extra: ontem, durante a queda, durante o próprio ato, eu fiquei pensando em....amor. Olhei pro rosto das atrizes e tentei imaginar elas na vida pessoal delas, em como seria totalmente diferente encontra-las na vida real. Fiquei imaginando se elas são amadas, fiquei pensando que talvez eu não sentisse atração nenhuma por elas, caso as encontrasse no mundo real (e isso é realmente irônico). Vi que o rosto é a única coisa que as diferencia no vídeo, a única coisa que as torna peculiar, eu literalmente me M olhando pros olhos da atriz, e isso foi muito engraçado.

Por enquanto é só. Até a próxima, e bom reboot pra todos!

_______________________________________
avatar
Mensagens : 415
Data de inscrição : 24/03/2018
Idade : 19
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 4/12/2018, 21:19
vierkenes escreveu:Valeu pela dica, Marker! Vou dar uma olhada no seu diário pra ver quais estratégias você desenvolveu no seu processo, talvez me seja útil.

Dia 1 do reboot.

Acordei agora de manhã me sentindo um pouco melhor.

Percebi que o segredo é não ficar parado e fazer as coisas se movimentarem. Eu até estou com vontade de arrumar a casa (tá caótico aqui, isso é ruim), mas é uma péssima ideia, se eu for limpar alguma coisa, é possível que isso agrida meu corpo e eu fiquei ainda pior. Senti também uma pequena vontade de correr, se eu for fazer algum exercício, vai ter que ser leve. Hoje faço alguma coisa, nem que seja um pouco que seja.

Percebi também, de forma muito clara, que cair hoje seria uma questão de ESCOLHA. Por um momento eu tive uma ereção, passou rapidamente pela minha cabeça a ideia de consumir P (por causa da queda de ontem, é evidente), mas meus dois anos ou mais de fórum me ensinaram que, nesse momento, isso seria uma escolha. Com isso claro, o caminho fica mais fácil. O problema mesmo é a falta de dopamina, pois nesse estágio, a queda se torna mais uma questão fisiológica do que de escolha. Mas podemos, é claro, optar por se mexer, ao invés de ficar parado, e aí está resolvido o problema.

Vou também evitar o fórum. Se eu sentir vontade de postar aqui, eu venho, mas no geral, acredito ser melhor evitar. Percebi que é bom ficar distante de qualquer coisa que remeta à P...é bom nem mesmo ler essa palavra ou relacionadas. Isso ajuda muito a se desligar disso, a limpar a mente. As vezes eu sinto agonia só de ler ou ouvir essa palavra, não sei mais alguém sente isso. Como se só isso pudesse servir de gatilho, ou ativasse ainda que levemente alguma coisa em meu cérebro.

Apesar da queda ontem, minha confiança se mantém. Meu método está claro pra mim (ainda tem o que aprimorar, mas no geral está bom).

Um extra: ontem, durante a queda, durante o próprio ato, eu fiquei pensando em....amor. Olhei pro rosto das atrizes e tentei imaginar elas na vida pessoal delas, em como seria totalmente diferente encontra-las na vida real. Fiquei imaginando se elas são amadas, fiquei pensando que talvez eu não sentisse atração nenhuma por elas, caso as encontrasse no mundo real (e isso é realmente irônico). Vi que o rosto é a única coisa que as diferencia no vídeo, a única coisa que as torna peculiar, eu literalmente me M olhando pros olhos da atriz, e isso foi muito engraçado.

Por enquanto é só. Até a próxima, e bom reboot pra todos!

Mano, eu acabei de lançar um texto no meu diário falando EXATAMENTE ISSO. Cair é uma escolha, irmão, você tá mais que certo. Já que você tá interessado no que eu uso pra me manter longe do vício, no texto que postei (agorinha) falo justamente sobre a Estratégia Matadora pra nunca mais ser escravo do vício e parar de recair ainda hoje (garantido). Se tiver afim de ver, cola lá mano!

Abração, brother!

_______________________________________






MEU DIÁRIO
http://www.comoparar.com/t7233-virando-o-jogo#177280


'''Aqueles que cultivam o hábito da persistência parecem ter um seguro contra o fracasso'' - Napolleon Hill


“O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo.” - Winston Churchill
avatar
Mensagens : 267
Data de inscrição : 02/10/2018
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 5/12/2018, 09:27
vierkenes escreveu:Uma queda no dia 16 do reboot.

Primeiro, estou realmente envergonhado de mim mesmo, pois faz tempo que não passo dos 30 dias. Fico 15, 20 dias limpo, as vezes um pouco mais e caio, isso está me deixando frustrado. Preciso experimentar períodos maiores de abstinência. Na verdade, faz tempo que meu padrão tem sido esse. Meu recorde foi 60 dias, e isso foi no mês 5 desse ano. Pouco depois fiquei 43 dias. Não entendo porque não consigo manter um período maior...se ficar 28 dias pra mim é relativamente normal, porque não fico logo 60 ou 90?

É evidente que os benefícios são vários por manter esse padrão, comparando com a vida de alguém que tá mergulhado no vício, como falou o Leao Lipe aí em cima. Mas ta na hora de galgar metas maiores, ir mais longe. Estou sentindo essa necessidade.

Essa queda ocorreu devido ao fato deu ter ficado doente. Sempre que adoeço, fico muito fragilizado, preciso urgentemente aprender a manter o reboot nesses períodos. Conta também o fato de que estou a alguns dias sem me exercitar - é até difícil, pois me sinto mole e fraco, não sei ao certo o que fazer. Talvez se eu tivesse feito algum exercício eu não tivesse caído. A parte mental fica mais fraca também, eu percebo claramente isso...é realmente um período extremamente vulnerável. Essa queda poderia perfeitamente ter sido evitada. Os bloqueadores são o que mais salvam nesses momentos, mas eu intencionalmente dei um jeito. Na verdade, a fraqueza maior foi muito mais da parte mental do que sistema de bloqueio, efetivamente falando.

Vou no médico por esses dias, acho que tem alguma coisa errada comigo, estou com um quadro persistente de tosse e outros sintomas. Tomara que eu não esteja com nada grave.

Retomando o reboot imediatamente (quero chegar no final do ano com uma boa quantidade de dias, hehe, não vou me perdoar se isso não acontecer). Não sei bem qual vai ser minha estratégia pros próximos dias, estou realmente me sentindo muito mal. Vou investir tudo no bloqueio e na abstinência total de computador, pelo menos enquanto eu me recupero, aí depois eu retomo minha rotina de exercício físico e dopamina saudável.

Acho que por enquanto é só. Até a próxima.

Força, Vierkenes! Espero que consiga resolver logo o seu problema de saúde e retomar com disciplina o reboot! Estamos juntos!

_______________________________________
Meu diário:
http://www.comoparar.com/t8382-diario-do-seeker


Meta principal: 90 dias

Submetas: 10 ( X )   30 ( X )  60 ( X )  90 (  )



avatar
Mensagens : 244
Data de inscrição : 25/03/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 7/12/2018, 09:53
Valeu pra quem escreveu aqui...obrigado pelas mensagens.

Dia 0 do reboot.

Estou na merda e vim aqui desabafar um pouco. Mergulhei fundo no vício, como tinha tempo que não acontecia. Consumi um material horrível...

No momento, estou tentando bloquear tudo direto no modem. Inicialmente eu cai por uma brecha que não tem como fechar (a smart tv da casa de meus pais...realmente não dá pra fechar). Depois, descambou tudo. Se eu bloquear direto no modem, vai dar uma aliviada.

Outra coisa é que eu preciso decidir minha vida, seguir meu rumo de verdade. É incrível como aqui na casa dos meus pais, a coisa sempre desanda. Eu recaio com álcool, com P, com tudo. É foda. Eu só consigo ficar aqui chapado, e juro que não sou assim em outros lugares. Quando eu não tava aqui, eu tava até indo consideravelmente bem. Por um lado, é evidente que tenho que fazer o reboot e me manter sóbrio onde quer que eu esteja, aconteça o que acontecer. Por outro, eu tenho que me libertar do que essa casa representa pra mim; aqui fui extremamente infeliz, em muitos aspectos de minha vida. Eu ainda me sinto preso a esse lugar, não sei explicar. Mas eu hoje conclui que ficar aqui é o mesmo que buscar minha ruína mental completa. Eu retorno pra esse lugar pela consideração que tenho à minha mãe, mas mesmo gostando dela e tudo, a cada dia que passa eu vejo que é totalmente impossível eu ficar mais de 3 ou 4 dias com ela. Minha relação com minha família me causou danos psicológicos graves, e embora eu não tenha raiva ou sentimentos ruins por eles, a única vontade que sinto é de me afastar totalmente, ir embora, sei lá. E eu fico pensando que não deveria renegar a família assim (ou então não, deveria largar todo mundo aqui mesmo pronto!). Outra coisa é que foi aqui que eu comecei com o vício. Eu estou no mesmo quarto em que ficava no auge do vício, NO MESMO QUARTO! Só o computador que não é o mesmo, mas até a posição do computador é igual. Isso me causa um incômodo que vocês não tem ideia! E aqui é o único lugar que tenho pra ficar...É complicado.

Mês de dezembro, daqui a pouco é final do ano. Governo novo vai entrar, e Deus sabe como vai ser, o que não pode é eu continuar nessa. Mas é FODA mesmo, eu tava doente a uns dias atrás, dei uma melhorada e me agredi brutalmente (com álcool), depois de alguns dias convivendo com minha mãe. Não dormi ainda, to ouvindo trash metal, acabei de fazer M com P e to aqui pesquisando como bloquear tudo pelo modem (espero que dê certo, senão to frito).

As lembranças de sexo real agora me parecem distantes. Penso que nunca vou ser feliz na vida sexual...mas isso é besteira, porque eu vou concluir o reboot e vou ter uma vida sexual normal. Penso que sou um ególatra, que ao invés de interagir com o mundo, fica na eterna masturbação, estagnado. Um dia eu saio dessa.

Enfim, consumi bastante P como tinha tempo que não acontecia - faz um bom tempo que minhas quedas são sempre rápidas e pontuais. Hoje foi diferente.

Estou fraco, muito fraco. Estou meio perdido. Estou afastado da parte espiritual (a alguns dias que eu tinha reparado nisso)...vou me reconectar com essa parte logo.

Por enquanto é só. Acabei de bloquear P direto no modem, testei aqui e dei certo. Eu não fiz isso antes por causa de meu irmão que morava aqui, ele consumia P as vezes, mas agora que ele foi embora, vou bloquear tudo!

Até a próxima, e espero trazer melhores notícias.

_______________________________________
avatar
Mensagens : 304
Data de inscrição : 25/06/2018
Idade : 26
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 7/12/2018, 11:42
Vierkenes, me identifico com várias partes do seu relato, então vou tomar a liberdade de ter dar alguns conselhos por aqui.

Eu recaí depois de completar mais de 90 dias de Reboot. Depois disso, recaí várias vezes, e agora estou retomando o processo. É terrível esse sentimento de que você é incapaz de retomar o rumo, de se recuperar. Depois que você cai, parece mais difícil se levantar. Só que não há outra opção: ou nós nos erguemos, ou isso literalmente rouba nossa vida. Eu poderia dize que não importa o quanto você (ou melhor, nós) já caiu, mas importa sim. Seria mentira dizer o contrário. Importa tanto que a única solução possível é se levantar, continuar tentando. Ao invés de usar isso como uma força negativa pra te puxar mais ainda pra baixo, motive-se: afinal, se nossa situação é tão dramática, aí mesmo é que precisamos melhorar, superar isso.

Eu já tive problemas com minha família e continuo tendo. Todo mundo tem, em maior ou menor grau. Te digo, por experiência própria: procure sua independência. Se eu estivesse até hoje no mesmo lugar, nas mesmas situações e com as mesmas pessoas, provavelmente estaria pior. Mas não adianta mudar o cenário e os personagens se você não for capaz de mudar a si mesmo. Essa é a principal mudança. Não encare isso como rejeitar sua família ou se "livrar" de ninguém, encare como um processo natural. Pro desenvolvimento de um homem (de qualquer pessoa, aliás), é preciso "sair do ninho". Hoje eu me dou bem com meus pais, mas não me arrependo de ter saído, conhecido outras realidades, viver minha vida. Faço questão de manter o contato porque são as pessoas que me educaram, com todas as limitações, mas fizeram o melhor que estava ao alcance deles.

Tente levar consigo o que seus pais te passaram de bom. O restante, você filtra. Nós somos muito influenciados por eles, mas não somos eles. É sua vida que precisa se reerguer, e isso não tem nada a ver com "abandonar" ninguém. Tem a ver com não abandonar a si mesmo.

_______________________________________
Acompanhe meu Diário

Meta inicial: 30 dias (53.3% concluído)
Reboot (inicial): 16/90

avatar
Mensagens : 74
Data de inscrição : 29/08/2018
Idade : 29
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 7/12/2018, 13:26
Me identifiquei bastante com os dois comentários acima.

Faz 8 anos que eu saí da casa dos meus pais e tive que me virar no mundo. Já morei em vários Estados e lugares do Brasil. Mas, uma vez por ano, volto na casa dos meus pais para visitá-los. Inclusive agora estou de férias na casa deles.

Desde que cheguei aqui já recaí, minha ansiedade foi a mil, minha mente não para, estou com insônia, e essa noite tive vários pesadelos. Todas as vezes que eu estou aqui é assim. Do mesmo jeito que você, nesse quarto, casa e cidade eu passei por muitos momentos ruins e acho que isso acaba ficando nem que seja no seu subconsciente. Minha relação com meus pais tbm é complicada, eu também não sinto raiva deles, mas sem querer eles acabam me deixando muito, mas muito mal. Mas eu tento mesmo assim ser grato a eles, embora não consiga demonstrar muita coisa, por tudo que eles fizeram de bom pra mim. E fico como se estivesse tudo bem, mas não está.

Em uma sociedade que acha que os mais velhos tem sempre razão e que os filhos são sempre os ingratos, é difícil não me autojulgar e achar que eu sou um péssimo filho.

Mas é preciso ter autocompaixão e a consciência que nem sempre os pais estão certos, que eles também erram, e que eu sou um homem e um homem tem que decidir o que é melhor para ele, assumir as responsabilidades e arcar com as consequências. Chega uma hora da vida de um homem que ele tem que seguir seu próprio caminho.

Por isso eu acho que você deveria seguir seu caminho. A mudança maior vem de dentro do próprio ser. Mas chega uma hora que a gente precisa de mudança em todos os aspectos da vida. Mudar os ares. Recomeçar do zero.

Vamos em frente. Abraço!

_______________________________________


Meu Diário:
http://www.comoparar.com/t8193-diario-do-moonwolf-caminho-ate-uma-nova-vida
avatar
Mensagens : 244
Data de inscrição : 25/03/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 10/12/2018, 12:51
Beren, você é referência pra mim. Quero ser movido por coisas boas também - eu percebo que você é movido por sentimentos muito nobres em sua batalha, e isso é muito inspirador.

Eu acabei de perceber isso, "ou nós nos erguemos, ou isso literalmente rouba nossa vida". Na verdade, estou me sentindo assim, fraco, como se eu tivesse perdido algo importante que passou bem debaixo do meu nariz.

Isso da independência é fundamental pra mim! Infelizmente eu sou muito dependente de minha mãe, tanto emocionalmente quanto financeiramente, e eu percebo que isso está me fazendo um mal muito grande! As vezes me sinto desesperado por ainda estar nessa condição, não sei o que fazer. Quanto a mudar a mim mesmo, eu consegui uma grande evolução, especialmente de 6 meses pra cá. Mas é curioso que, apesar de minha evolução ter sido geral e em vários aspectos, algumas coisas ainda permanecem cristalizadas. É como você falou no último parágrafo, mas embora essas coisas pareçam óbvias, eu ainda preciso de mais tempo e mais trabalho psicológico pra compreender verdadeiramente isso. Sua última frase é particularmente boa: "Tem a ver com não abandonar a si mesmo".

Moonwolf: de fato nossa sensação é muito semelhante. No caso dos pais, minha mãe ontem me disse que "eu não nasci com manual de instrução". Ter e criar um filho deve ser uma experiência cheia de erros - não tem como ter controle das coisas, não tem um caminho pronto, não dá pra prever exatamente onde algumas coisas vão dar; deve ser como mergulhar no escuro. É tentativa e erro (que nem no reboot!).

Quanto a isso de seguir meu próprio caminho....estou me batendo nisso. Provavelmente isso está até mesmo me impedindo de completar o reboot. Inicialmente, vou lidar com isso tudo com disciplina e fortalecimento. Quero ficar com pelo menos 21 dias pra começar a pensar e planejar minha vida. E se tudo der certo, isso vai acontecer no dia 1 de janeiro de 2019....Vou fazer questão de testar e conferir todos os bloqueios pra ver se está tudo fechado. Eu tinha dito que queria fechar o ano com uma quantidade razoável de dias e essa é minha última oportunidade.


Dia 0 do reboot (de novo!) - 10/12, para fins de registro.

Postando aqui de novo...

Estou me sentindo profundamente triste, pois nos últimos dias eu senti que retornei pra um estado de ignorância grande, aquele estado em que eu vivia, em que não tinha a mínima noção das consequências do vício, do quão torpe é tudo isso, quando eu achava que o amor não era pra mim e desprezava as mulheres e o contato sexual com elas. Depois de 1 ou 2 dias nessa (nem lembro...), ontem eu saí com um amigo. Meu amigo estava em modo de caça, queria "pegar mulher". Eu nunca gostei desse estilo, nem desse jeito de se referir às coisas, acabei criticando ele um pouco, mas depois eu vi que sou extremamente hipócrita, pois tinha esvaziado totalmente minha energia sexual horas antes, é por isso que eu disse pro meu amigo: "eu to tranquilo cara, não preciso ficar com ninguém". Eu disse isso pra ele mas menti muito pra mim mesmo. É claro que eu não estava tranquilo (tranquilo eu estaria se estivesse com 30,40 dias de reboot, independente de estar com alguém ou não!). Lidar com minha sexualidade ainda é muito complicado pra mim (será que eu já lidei algum dia? Nunca fiquei mais de 60 dias afastado de P, como posso saber o que é essa força realmente manifestada? Da última (e única) vez passei meses transando sem ter um orgasmo, eu realmente não sei o que é sexo). Meu amigo estava lidando com a energia dele, talvez não da melhor forma, mas lidando de frente, enquanto eu optei pela fuga. Triste realidade. Eu sei que eu não deveria pensar isso, mas realmente tenho me perguntado se um dia vou ter uma vida sexual plena e satisfatória.

Depois fui pra casa e tentei consumir P. O bloqueio direto no modem funciona muito bem, recomendo bastante mesmo, fortalece brutalmente o sistema como um todo. Como eu estava totalmente "foda-se" pro reboot - preciso entender como as coisas chegam a esse ponto, de total ignorância e desprezo - fiquei horas tentando acessar P, e embora tenha chegado perto de conseguir burlar, acabei desistindo porque tava muito trabalhoso e isso depois de tentar por um bom tempo. Aí me masturbei pensando na ex namorada (a essa altura aquele amor que eu sentia enfraqueceu bastante, durante muito tempo esse sentimento me fortaleceu absurdamente no reboot). Foi uma boa M e eu fiquei me perguntando porque sentia necessidade de um estímulo artificial. De noite, discuti com minha mãe, saí, bebi cerveja, fiquei chapado...(aqui vocês podem ver como foram os últimos dias pra mim). Encontrei uma menina pela qual eu sinto bastante desejo e com quem me dou bem e fiquei conversando com ela. Eu senti uma diferença grande nesse contato com ela, por ter consumido bastante P nesses dias. Não objetifiquei ela, mas eu sabia que se estivesse em outra situação, eu poderia ser mais expansivo, mais expressivo, ou algo assim. Eu não sei explicar bem, mas sempre que consumo muita P, eu trato as mulheres com desprezo, de forma contida e distanciada, como se não precisasse delas. Minha empatia e capacidade de conexão com as pessoas caí absurdamente, e caí ainda mais com as mulheres.

No final, voltei pra casa. De noite eu me senti um pouco mal, mas não fisicamente. Eu senti um mal estar espiritual - na verdade, uma crise de arrependimento. Um peso no peito, uma vontade de chorar, o desespero tomando conta de mim, e aí eu me joguei no chão e pedi socorro à Deus...fiquei achando que só ele poderia me salvar disso, e que eu sempre podia pedir esse auxílio, que se fosse sincero eu seria auxiliado. Eu notei que tinha esquecido dessa parte de minha vida a um tempo (até comentei no post anterior), e provavelmente isso contribuiu pra eu me enfraquecer desse jeito. Consegui me dedicar um pouco a isso ontem de noite, me lembrei que essas coisas existem e funcionam - vejam como eu estava afastado da parte espiritual. Hoje acordei um pouco mais iluminado do que nos dias anteriores. Até senti a fissura forte, o espírito quase totalmente entregue, cheguei a tentar uma única vez acessar P - "testar os bloqueadores", olha a desculpa - mas de fato, está bastante eficiente. Eu ia precisar checar pra corrigir de qualquer modo. Depois dessa quase queda consciente (porque eu estava na intenção de cair, não de testar os bloqueadores!), recebi aquela pequena luz do alto e de novo senti a mesma coisa de ontem de noite - uma vontade de chorar, um aperto no peito, por ter me entregue a algo que destruiu tanto minha vida. Estou emocionado nesse momento em que escrevo, com o peito opresso, mistura de angústia e arrependimento.

É companheiros, é preciso se cuidar mesmo. Ficar nesse estado em que fiquei - aquele, do passado - é terrível.

Essas últimas quedas foram mais espirituais, esse foi o ponto em que falhei. Eu me entreguei totalmente, esqueci do apoio do Criador, me senti desamparado, fiquei cínico. Essas quedas são as piores, pois elas parecem nos fazer retroceder muito no nosso progresso. Mas Deus é generoso e está mais uma vez me oferecendo uma nova oportunidade, tendo percorrido toda essa estrada, acumulado toda essa experiência. Na verdade, eu que me esqueci Dele, mas ele não esqueceu de mim. Bom, a vitória está na minha mão e só depende de mim. Gostaria de ser mais forte...vejo outros companheiros aqui que são bem mais perseverantes, mais humildes, mais exemplares do que eu. As vezes me sinto diminuído por isso, sinto como se minhas falhas fossem muito grandes, como se meu egoísmo e minha má conduta fossem gritantes e insuportáveis.

Preciso abaixar a cabeça pro Criador, ser muito mais humilde. Eu sinto que Ele quer me ajudar, mas eu sei que muitas vezes eu priorizo muito mais a mim mesmo e minha vontade e até ignoro o superior, talvez por vaidade, sei lá.

Bom, eu devia ter feito várias coisas hoje de manhã, mas ainda não fiz nada. To ouvindo música, parado na frente do computador, mas com aqueles sentimentos por perto, juntos e misturados (perdão, arrependimento, esperança). O que realmente importa: mais uma oportunidade me foi dada. Quantas vezes já estive no dia 0? Incontáveis, desde de que entrei no fórum (e antes disso todo dia era dia 0, vejam!).

Vou viajar hoje pra cidade universitária, quero ficar lá até um pouco antes do natal, uns 13 ou 14 dias. Vou me dedicar ao trabalho da universidade (tenho que entregar uma certa quantidade de páginas até o dia 20), aos exercícios físicos e outras coisas. Vou voltar a usar aquela tabela das atividades. Lá nem internet tem (e aqui na casa de minha mãe é cheio de dispositivo, que diferença). Eu espero que eu me sinta melhor, e que eu possa me fortalecer bastante lá (me exercitar todo dia, me alimentar bem, orar). Preciso cuidar particularmente da parte física (tenho adoecido com muita frequência).

Bom, me desejem boa sorte. Não tenho mais o que falar por enquanto.

_______________________________________
avatar
Mensagens : 74
Data de inscrição : 29/08/2018
Idade : 29
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

em 10/12/2018, 14:51
vierkenes escreveu:Beren, você é referência pra mim. Quero ser movido por coisas boas também - eu percebo que você é movido por sentimentos muito nobres em sua batalha, e isso é muito inspirador.

Eu acabei de perceber isso, "ou nós nos erguemos, ou isso literalmente rouba nossa vida". Na verdade, estou me sentindo assim, fraco, como se eu tivesse perdido algo importante que passou bem debaixo do meu nariz.

Isso da independência é fundamental pra mim! Infelizmente eu sou muito dependente de minha mãe, tanto emocionalmente quanto financeiramente, e eu percebo que isso está me fazendo um mal muito grande! As vezes me sinto desesperado por ainda estar nessa condição, não sei o que fazer. Quanto a mudar a mim mesmo, eu consegui uma grande evolução, especialmente de 6 meses pra cá. Mas é curioso que, apesar de minha evolução ter sido geral e em vários aspectos, algumas coisas ainda permanecem cristalizadas. É como você falou no último parágrafo, mas embora essas coisas pareçam óbvias, eu ainda preciso de mais tempo e mais trabalho psicológico pra compreender verdadeiramente isso. Sua última frase é particularmente boa: "Tem a ver com não abandonar a si mesmo".

Moonwolf: de fato nossa sensação é muito semelhante. No caso dos pais, minha mãe ontem me disse que "eu não nasci com manual de instrução". Ter e criar um filho deve ser uma experiência cheia de erros - não tem como ter controle das coisas, não tem um caminho pronto, não dá pra prever exatamente onde algumas coisas vão dar; deve ser como mergulhar no escuro. É tentativa e erro (que nem no reboot!).

Quanto a isso de seguir meu próprio caminho....estou me batendo nisso. Provavelmente isso está até mesmo me impedindo de completar o reboot. Inicialmente, vou lidar com isso tudo com disciplina e fortalecimento. Quero ficar com pelo menos 21 dias pra começar a pensar e planejar minha vida. E se tudo der certo, isso vai acontecer no dia 1 de janeiro de 2019....Vou fazer questão de testar e conferir todos os bloqueios pra ver se está tudo fechado. Eu tinha dito que queria fechar o ano com uma quantidade razoável de dias e essa é minha última oportunidade.


Dia 0 do reboot (de novo!) - 10/12, para fins de registro.

Postando aqui de novo...

Estou me sentindo profundamente triste, pois nos últimos dias eu senti que retornei pra um estado de ignorância grande, aquele estado em que eu vivia, em que não tinha a mínima noção das consequências do vício, do quão torpe é tudo isso, quando eu achava que o amor não era pra mim e desprezava as mulheres e o contato sexual com elas. Depois de 1 ou 2 dias nessa (nem lembro...), ontem eu saí com um amigo. Meu amigo estava em modo de caça, queria "pegar mulher". Eu nunca gostei desse estilo, nem desse jeito de se referir às coisas, acabei criticando ele um pouco, mas depois eu vi que sou extremamente hipócrita, pois tinha esvaziado totalmente minha energia sexual horas antes, é por isso que eu disse pro meu amigo: "eu to tranquilo cara, não preciso ficar com ninguém". Eu disse isso pra ele mas menti muito pra mim mesmo. É claro que eu não estava tranquilo (tranquilo eu estaria se estivesse com 30,40 dias de reboot, independente de estar com alguém ou não!). Lidar com minha sexualidade ainda é muito complicado pra mim (será que eu já lidei algum dia? Nunca fiquei mais de 60 dias afastado de P, como posso saber o que é essa força realmente manifestada? Da última (e única) vez passei meses transando sem ter um orgasmo, eu realmente não sei o que é sexo). Meu amigo estava lidando com a energia dele, talvez não da melhor forma, mas lidando de frente, enquanto eu optei pela fuga. Triste realidade. Eu sei que eu não deveria pensar isso, mas realmente tenho me perguntado se um dia vou ter uma vida sexual plena e satisfatória.

Depois fui pra casa e tentei consumir P. O bloqueio direto no modem funciona muito bem, recomendo bastante mesmo, fortalece brutalmente o sistema como um todo. Como eu estava totalmente "foda-se" pro reboot - preciso entender como as coisas chegam a esse ponto, de total ignorância e desprezo - fiquei horas tentando acessar P, e embora tenha chegado perto de conseguir burlar, acabei desistindo porque tava muito trabalhoso e isso depois de tentar por um bom tempo. Aí me masturbei pensando na ex namorada (a essa altura aquele amor que eu sentia enfraqueceu bastante, durante muito tempo esse sentimento me fortaleceu absurdamente no reboot). Foi uma boa M e eu fiquei me perguntando porque sentia necessidade de um estímulo artificial. De noite, discuti com minha mãe, saí, bebi cerveja, fiquei chapado...(aqui vocês podem ver como foram os últimos dias pra mim). Encontrei uma menina pela qual eu sinto bastante desejo e com quem me dou bem e fiquei conversando com ela. Eu senti uma diferença grande nesse contato com ela, por ter consumido bastante P nesses dias. Não objetifiquei ela, mas eu sabia que se estivesse em outra situação, eu poderia ser mais expansivo, mais expressivo, ou algo assim. Eu não sei explicar bem, mas sempre que consumo muita P, eu trato as mulheres com desprezo, de forma contida e distanciada, como se não precisasse delas. Minha empatia e capacidade de conexão com as pessoas caí absurdamente, e caí ainda mais com as mulheres.

No final, voltei pra casa. De noite eu me senti um pouco mal, mas não fisicamente. Eu senti um mal estar espiritual - na verdade, uma crise de arrependimento. Um peso no peito, uma vontade de chorar, o desespero tomando conta de mim, e aí eu me joguei no chão e pedi socorro à Deus...fiquei achando que só ele poderia me salvar disso, e que eu sempre podia pedir esse auxílio, que se fosse sincero eu seria auxiliado. Eu notei que tinha esquecido dessa parte de minha vida a um tempo (até comentei no post anterior), e provavelmente isso contribuiu pra eu me enfraquecer desse jeito. Consegui me dedicar um pouco a isso ontem de noite, me lembrei que essas coisas existem e funcionam - vejam como eu estava afastado da parte espiritual. Hoje acordei um pouco mais iluminado do que nos dias anteriores. Até senti a fissura forte, o espírito quase totalmente entregue, cheguei a tentar uma única vez acessar P - "testar os bloqueadores", olha a desculpa - mas de fato, está bastante eficiente. Eu ia precisar checar pra corrigir de qualquer modo. Depois dessa quase queda consciente (porque eu estava na intenção de cair, não de testar os bloqueadores!), recebi aquela pequena luz do alto e de novo senti a mesma coisa de ontem de noite - uma vontade de chorar, um aperto no peito, por ter me entregue a algo que destruiu tanto minha vida. Estou emocionado nesse momento em que escrevo, com o peito opresso, mistura de angústia e arrependimento.

É companheiros, é preciso se cuidar mesmo. Ficar nesse estado em que fiquei - aquele, do passado - é terrível.

Essas últimas quedas foram mais espirituais, esse foi o ponto em que falhei. Eu me entreguei totalmente, esqueci do apoio do Criador, me senti desamparado, fiquei cínico. Essas quedas são as piores, pois elas parecem nos fazer retroceder muito no nosso progresso. Mas Deus é generoso e está mais uma vez me oferecendo uma nova oportunidade, tendo percorrido toda essa estrada, acumulado toda essa experiência. Na verdade, eu que me esqueci Dele, mas ele não esqueceu de mim. Bom, a vitória está na minha mão e só depende de mim. Gostaria de ser mais forte...vejo outros companheiros aqui que são bem mais perseverantes, mais humildes, mais exemplares do que eu. As vezes me sinto diminuído por isso, sinto como se minhas falhas fossem muito grandes, como se meu egoísmo e minha má conduta fossem gritantes e insuportáveis.

Preciso abaixar a cabeça pro Criador, ser muito mais humilde. Eu sinto que Ele quer me ajudar, mas eu sei que muitas vezes eu priorizo muito mais a mim mesmo e minha vontade e até ignoro o superior, talvez por vaidade, sei lá.

Bom, eu devia ter feito várias coisas hoje de manhã, mas ainda não fiz nada. To ouvindo música, parado na frente do computador, mas com aqueles sentimentos por perto, juntos e misturados (perdão, arrependimento, esperança). O que realmente importa: mais uma oportunidade me foi dada. Quantas vezes já estive no dia 0? Incontáveis, desde de que entrei no fórum (e antes disso todo dia era dia 0, vejam!).

Vou viajar hoje pra cidade universitária, quero ficar lá até um pouco antes do natal, uns 13 ou 14 dias. Vou me dedicar ao trabalho da universidade (tenho que entregar uma certa quantidade de páginas até o dia 20), aos exercícios físicos e outras coisas. Vou voltar a usar aquela tabela das atividades. Lá nem internet tem (e aqui na casa de minha mãe é cheio de dispositivo, que diferença). Eu espero que eu me sinta melhor, e que eu possa me fortalecer bastante lá (me exercitar todo dia, me alimentar bem, orar). Preciso cuidar particularmente da parte física (tenho adoecido com muita frequência).

Bom, me desejem boa sorte. Não tenho mais o que falar por enquanto.

Fala Vierkenes. Vejo muita sinceridade nas suas palavras, cara.

Acabei de ler um trecho do livro " O milagre da manhã" em que vi umas citações:

"Desespero é a matéria-prima de mudanças drásticas. Somente aqueles que podem deixar para trás tudo
em que acreditaram podem esperar escapar."
— WILLIAM S. BURROUGHS

"Para fazer mudanças profundas em sua vida você precisa de inspiração ou de desespero."
— ANTHONY ROBBINS

Eu vi que de certa forma isso pra mim faz sentido. As grandes mudanças que eu tive na vida se originaram de uma insatisfação profunda, raiva ou angústia, ou desespero. Acredito que podemos canalizar esses sentimentos ruins que sentimos para uma mudança violenta de vida.

Estou lendo seu relato aqui e pensando também nos 12 passos do AA que eu uso para o meu próprio vício.
Estes são os 12 passos:
https://www.youtube.com/watch?v=-Z1eUnLTo8A

Aí nesse seu relato vi que vários desses passos você já deu.
Admitindo os seus erros, acreditando que Deus pode te curar, rogando que Ele te cure, refletindo sobre suas falhas, admitindo perante nós, outros seres humanos, se entregando a Deus para que Ele remova todo o vício, etc
Acredito que temos que lutar de todas as formas que estiverem ao nosso alcance, mas que quem vai realmente nos dar forças e curar é Deus, por meio do nosso esforço em concluir o Reboot.
Que nesse tempo antes do fim do ano nós consigamos nos manter sóbrios. Um abraço meu irmão.

_______________________________________


Meu Diário:
http://www.comoparar.com/t8193-diario-do-moonwolf-caminho-ate-uma-nova-vida
avatar
Mensagens : 244
Data de inscrição : 25/03/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

Ontem à(s) 17:39
Dia 5 do reboot.

Continuo na mesma merda de antes. To tão mal que deu vontade de tacar o "dia 0 do reboot", mas como eu não consumi nada de P,  vou manter no dia 5, mesmo não fazendo absolutamente nada do que deveria estar fazendo pra fazer o processo com qualidade.

Se não cai ainda, é porque o sistema de bloqueio que fiz parece ser definitivo, de novo tentei hoje burlar por um longo período e não consegui absolutamente nada. Por enquanto, estou totalmente dependente disso. Se não fosse o bloqueador, provavelmente estaria consumindo P todo dia, várias vezes ao dia.

Tenho consumido bastante álcool e maconha. To passando o dia todo chapado, as vezes fico até descoordenado e confuso pra fazer atividades do dia a dia. Bebendo com bastante frequência, não todo dia, mas quase isso. Anteontem bebi quase 2 litros de cerveja sozinho, cheguei em casa e fumei tanta maconha que quase apaguei, eu nem lembro deu segurando o cigarro de maconha antes de dormir. Não tomei banho, não tirei a roupa nem nada, simplesmente dormi. Curiosamente, acordei com uma ressaca leve e consegui fazer o dia seguinte render um pouco - vai explicar uma coisa dessa. Eu tinha comprado uma certa quantidade de maconha, mas acabou....e eu não vou comprar mais. Ficar nessa de fumar o dia todo é o mesmo de virar um zumbi pra mim.

Tenho me masturbado bastante, sempre pensando na ex namorada (é interessante notar que essa experiência com ela mudou minha perspectiva para M, eu quase nunca me masturbo pensando em cenas de sexo ou fantasias com alguma menina que eu conheço, eu sempre me masturbo pensando na minha sensação ao fazer sexo com ela). Sempre que me masturbo pensando nela, me pergunto porque eu fico tão fissurado por P, quando poderia fazer sem P. Talvez essa explicação esteja no ebook. Pensamento sobre sexo: 0. Aliás, minhas outras preocupações, especialmente as mais vitais pra mim, parecem estar consumindo toda minha energia. Sexo é a última coisa que estou pensando nesse momento. Eu ainda sou muito frustrado sexualmente, e reparei que isso é muito mais comum do que eu imaginava. Quando eu era virgem, eu achava que era frustrado por ser virgem, mas hoje vejo que muitos caras que tem vida sexual ativa, ou que fazem sexo regularmente, se sentem frustrados também.

Larguei totalmente os exercícios físicos. Nem lembro da última vez que fiz uma sessão de calistenia.

Meu trabalho acadêmico foi pro espaço. Eu tinha prazo pra entregar algumas páginas, não sei se vai dar, e não consigo me sentar pra escrever esse maldito trabalho. Não sei ao certo o que faço, talvez a solução seja fazer tudo em cima da hora mesmo, quando eu ver que não tem jeito nem solução. Nesse caso, a pressão vai me fazer bem. O trabalho pode ficar ruim, mas eu não to me importando com isso, só quero entregar e acabar com isso logo.

Tenho sentido fortes bloqueios na parte espiritual. Apesar de meu momento 5 dias atrás, não estou conseguindo parar para me dedicar um pouquinho a isso. Não sinto vontade nenhuma, e quando tento forçadamente, não consigo me concentrar, logo me desvio disso e vou fazer qualquer outra coisa.

É claro e evidente que toda essa situação não é a toa. Trata-se de uma grande dor emocional, de algo urgente, que atrapalha toda a minha vida a bastante tempo, e que contudo, eu não consigo resolver. Me vejo totalmente preso à essas coisas, o tempo vai passando e parece que eu não consigo me libertar disso (as vezes sinto isso com P também o tempo passando e eu ainda nessa). Estou me vendo totalmente atado, preso. Mesmo quando eu tava indo bem no reboot, ficando sem beber e me exercitando diariamente (já tive alguns períodos assim!), eu me sentia exatamente como agora, a mesma sensação: atado e preso. Essa sensação permanece, eu me sinto assim a pelos uns 13 anos. Com reboot ou sem reboot, chapado ou não, eu me sinto do mesmo jeito, a mesma angústia...

É óbvio e evidente que nada disso é desculpa. Mas eu fico me perguntando como quem está a muito tempo sóbrio (1 ano, por exemplo, ou mais), consegue lidar com algumas coisas. Li a um tempo atrás o post de um companheiro que terminou um relacionamento de 4 anos, isso deve doer de um jeito inimaginável, é muito tempo junto. E o cara, que tava a bastante tempo sem P, ficou firme e conseguiu levar adiante.

Se eu continuar nessa, é só questão de tempo (alguns dias?) pra ocorrer uma queda. O pior é que não estou vendo perspectiva de mudança. Sair pra correr ou fazer algum exercício me parece a coisa mais difícil do mundo, nesse momento. To passando o dia todo na frente do PC (200% bloqueado) ouvindo música e jogando paciência. E na maior parte das vezes, fumando maconha.

Bom, eu sei que ninguém aqui pode me ajudar com essas coisas mais específicas. Só estou desabafando mesmo.

Percebo também que não devo me envergonhar de estar aqui a quase 3 anos e não ter passado dos 60 dias (as vezes me sinto envergonhado por isso). Cada um aqui tem uma história particular, tem sua relação particular com o vício e com a vida em si. Então, como os percussos são diferentes, é totalmente natural que o tempo de cada um seja diferente. É importante frisar isso.  

Por hora, é só. Não se surpreendam se eu vir relatar uma queda nos próximos dias. Enquanto isso, vou ficando 100% na mão dos bloqueadores, que estão funcionando com altíssimo grau de eficiência.

Até a próxima.

_______________________________________
Mensagens : 33
Data de inscrição : 09/12/2018
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

Ontem à(s) 22:47
Aproveitando o assunto morar com pais, convivência etc...

Também tenho uma relação muito complicada com meus pais. Foi o que o colega disse acima: só por serem mais velhos, acham que estão certos em tudo.

Isso me desgasta também. Eu teria condições de morar sozinho, mas ficaria muito apertado financeiramente falando.

Creio que além do reboot, o ideal para quem passa por isso que estamos passando é morar sozinho e não se envolver.

No meu caso, moro com meus pais e tenho uma pessoa, que gosto muito. Seria uma mudança muito radical na minha vida. Embora que saiba que isso seja o mais certo a se fazer
avatar
Mensagens : 244
Data de inscrição : 25/03/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Vierkenes

Hoje à(s) 21:52
Primeiro, resposta às mensagens.

Moonwolf: obrigado pela mensagem! Eu também vejo sinceridade em suas palavras, elas me transmitem um otimismo sereno, e eu estava precisando disso. Que todos nós consigamos nos manter sóbrios nesse período de fim de ano!

Gustav000: cara, ultimamente eu tenho tentado pensar sobre isso na base da paciência. Eu sei que um dia eu vou conseguir minha independência financeira e emocional, estou me esforçando pra isso. No futuro, quando a gente conseguir, talvez a gente olhe pra trás e ria, ou então perceba que as coisas se encaminharam como tinham que ser, no tempo certo. Esse é um pensamento reconfortante. Nossa hora vai chegar.

Dia 0 do reboot (de novo).

Bom, cai de forma lamentável, e de um jeito muito bizarro, eu simplesmente prefiro nem comentar.

Apesar de ter escrito bastante ontem, tem uma coisa muito importante que eu não falei aqui.

Tem mais ou menos uns 2 anos que eu faço sessões de psicanálise. Me ajudou muito com muita coisa - a eficiência desse trabalho e os benefícios na minha vida são inquestionáveis pra mim. Desde o início o meu vício em P era um grande problema, então eu sempre falei sobre isso com ela. E eu sempre soube que isso tudo tinha uma forte raiz psicológica (diria até que todo vício tem uma raiz psicológica). E então, na última sessão, eu finalmente comecei a entender esse componente, como ele opera na minha cabeça. E isso mexeu muito comigo, fazendo meu vício piorar.

Faz todo o sentido. Essa "teoria", digamos assim, não é algo tirado da cabeça do analista. Pelo contrário, tudo se encontra amparado no meu discurso.  Me deparei com coisas antigas, coisas de minha formação, e que de algum modo, me direcionaram para a P, fizeram com que eu me fixasse nisso. E agora, é o momento de desconstruir essas coisas,  de enfrentar algumas feridas emocionais correlacionadas e começar um processo de cura mais profundo e efetivo.

As 2 últimas sessões que tive mexeram muito com minha cabeça. O vício piora porque estou mexendo justamente na raiz dele, no ponto onde ele se sustenta. Mas depois isso vai se estabilizar e aí eu vou conseguir chegar bem mais longe.

Eu achei que deveria acrescentar isso.

Hoje de manhã vi uns vídeos sobre corrida, tentando descobrir por conta própria porque tenho sentido dores no joelho esquerdo nos últimos tempos. Eu não quero parar de correr (me faz muitíssimo bem, é um pilar do meu reboot!), mas preciso corrigir a postura, maneirar a velocidade, alongar antes e depois, esse tipo de coisa. Isso se eu não tiver nenhum problema no joelho, mas eu acho que não é o caso. Amanhã de manhã vou dar uma corridinha bem leve, prestando atenção em cada passada e vou ver como me sinto. Estou necessitando urgentemente me movimentar.

Agora de noite saí com uma amiga que eu não via a muito tempo, ela veio com um papo religioso, e eu me senti muito tocado com as palavras dela, senti que foi benéfico ouvir as coisas que ela me disse. Não consigo entender minha questão espiritual: as vezes sinto um forte arrependimento por tudo de ruim que faço (isso inclui especialmente ver P), e nesses momentos consigo orar com um certo fervor, pedindo auxílio. Noutros momentos, parece que eu estou totalmente desconectado, largado, indo na contramão de tudo, e aí acabo consumindo P. Pra mim tá mais do que provado que neglicenciar a parte espiritual é sinônimo de fracasso no reboot. Eu particularmente, preciso de mais constância e disciplina, isso é o que vai fortalecer esse lado meu.

Como estive muito no fórum esses dias, e escrevi bastante também, só vou postar de novo daqui a 7 dias. As medidas pra nova tentativa são as mesmas de sempre, com prioridade urgente para corrida e calistenia (amanhã mesmo farei isso, sem falta). Só isso aí já vai dar uma diminuída brutal de qualquer fissura, e vai permitir que eu caminhe para mais dias. Esse é o início.

Até a próxima.

_______________________________________
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum