Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 13/2/2017, 16:16
Dia 50 - 12/02

Depois do primeiro episódio de MO fora do sexo desde o início do reboot no domingo de manhã, tive outro à tarde. Novamente tentei não pensar em nada (dessa vez mentalizei a persiana que tava na minha frente - hahaha), afrouxei bastante a pegada e mesmo assim gozei rapidinho.

O curioso é que dessa vez eu não me senti tão fracassado quanto da primeira horas antes, e notei (pode ser placebo) que me sinto mais "leve", como se meu desejo sexual estivesse me controlando menos. Os flashes com P, que estavam começando a aparecer irresistíveis, voltaram a me causar algo parecido com apatia.

Vi meu namorado à noite e mesmo com os dois episódios de MO ao longo do dia a minha ereção tava intacta e foi tudo maravilhoso.

Tô no computador da minha irmã enquanto o técnico tenta recuperar meu HD. Não tem bloqueadores aqui, exceto o OpenDNS que bloqueia o conteúdo direto pelo modem (o criador desse software merece um Nobel haha). Às vezes bate medinho de ceder, mas a vontade propriamente dita ainda não apareceu.

Sem meu computador eu fico praticamente inválido. Todo o meu sistema de gerenciamento pessoal tá lá, além de informações relativas ao trabalho que se eu perco tô ferrado. Boa parte disso tá sincronizado na nuvem, mas os arquivos mais pesados não. Isso tem me deixado louco. Desde que isso aconteceu eu tenho levantado da cama em torno das 17h (geralmente tô de pé às 8h), e olhando "com calma" agora, dá pra relacionar tranquilamente esses episódios de MO com esse "baque".

Também não tava esperando ter que reinstalar todos os bloqueadores bem no meio do reboot e configurar tuuuuuudo outra vez. Terreno fácil pra um reset.

Saber que todo esse processo vai me demandar precioso tempo de estudo também não está entrando com facilidade na minha cabeça.

Seguimos.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 14/2/2017, 10:40
Dia 51 - 13/02

Venho sentindo uma melhora tremenda na minha concentração nos estudos. Às vezes me pego ansioso para estudar, o que é bem bizarro haha. Não devo sentir isso desde os 9, 10 anos, nos meus tempos áureos de criança prodígio.

As memórias com P deram um descanso. Me sinto novamente no controle e notei até que a minha ansiedade social voltou a diminuir. Ainda assim eu não quero fazer de MO um hábito, pois desconfio que além da P, a masturbação excessiva causou diminuição de sensibilidade no meu pênis, e querer que isso se reverta mantendo o mesmo hábito é burrice.

Ainda sem PC, novamente não consegui acordar antes das 17h. Minha agenda, meu trabalho e até parte dos meus estudos dependem do meu computador e das informações contidas nele, e sem ele eu sinto como se tivesse acabado de amputar um braço. O lado bom disso é que os meus estudos (à moda antiga, na base dos livros, cadernos e canetas) tem fluído que é uma beleza. Smile
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 15/2/2017, 08:32
Dia 52 - 14/02

Os flashes com P e a vontade de fantasiar na hora de dormir estão mais fortes do que nunca. Às vezes sinto como se fosse ceder, e isso tem me deixado bastante inseguro. Pegar no sono também tá ficando difícil. É incrível a capacidade que o meu cérebro tem de me convencer que P é a coisa mais prazerosa do mundo na hora da abstinência.

Pela primeira vez em muito tempo eu sinto vontade de ver um filme ou série pelo puro prazer de ver. Tinha me condicionado a fazer as coisas em troca de algo, então ver filmes pra mim era perda de tempo que poderia ser empregado em algo que me trouxesse algum tipo de retorno, quase sempre financeiro. O curioso é que o tempo desperdiçado com PMO eu não contava... Hahaha.

À noite, antes de começar a estudar, bateu uma vontade de escrever o que eu sinto pelo meu namorado no papel. Acabei escrevendo uma cartinha beeem piegas e tive a ideia de postá-la no correio haha. Antigamente eu só investia tempo em algo assim quando a ocasião me obrigava: aniversário de namoro, dele, data comemorativa, etc. Dessa vez eu só quis escrever, e me senti bem pra caramba enquanto escrevia... Tanto que só depois de terminar eu tive a ideia de enviar pra ele. Smile

Minha ansiedade anda tendo altos e baixos. Às vezes sinto minha voz encorpar de um jeito que até eu me assusto (rs), e noutras ela soa fraca e aguda, e a fala fica rápida e atropelada. Estou conseguindo controlar a diarreia com muuuito Imosec. Na próxima sessão com a psicóloga, vou pedir indicação de avaliação psiquiátrica para saber se a minha ansiedade é tratável com medicamentos.

Seguimos.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 16/2/2017, 10:59
Dia 53 - 15/02

Consegui chegar ao orgasmo na penetração pela primeira vez na vida. Smile

Demorou demaaais. Meu namorado já tinha gozado, mas eu tava sentindo algo diferente e resolvi "perseguir" aquela sensação. Por sorte meu namorado não reclamou (ele odeia quando eu continuo depois que ele goza) e me deixou ficar lá até chegar o momento.

O péssimo disso tudo é que eu fantasiei com P pra chegar lá. Perto do ápice eu já não tava pensando, mas pra chegar perto não teve jeito.

Na hora fazia sentido pra mim. Era como se o "feito" de gozar durante a penetração fosse atenuar o ato de fantasiar.

A sensação foi maravilhosa etc. O problema foram as fantasias com P. De um lado eu tô feliz por ter conseguido sentir algo que eu achei que jamais fosse viver na minha vida... Por outro eu tô triste porque não queria que P estivesse envolvida nesse momento, mesmo que indiretamente.

Pelo menos eu já posso riscar definitivamente a possibilidade de algum problema funcional no meu pênis e já tenho provas suficientes de que o reboot funciona.

Uma coisa que eu achei legal foi como eu me senti esgotado depois do ato... Foi como se eu tivesse feito sexo de verdade pela primeira vez na vida.

Isso tudo aí aconteceu à noite. Antes, durante o dia, passei o tempo todo estudando ou melancólico, nos intervalos de estudo. Chorei duas vezes sem motivo aparente, e eu definitivamente não sou de chorar. Doeu muito. Bateu uma sensação de desespero e eu botei aquilo pra fora.

Seguimos.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 17/2/2017, 07:36
Dia 54 - 16/02

Nada de muito novo por aqui. Depois da noite incrível com meu namorado eu fiquei levinho Smile. Tarefas que eu considero difíceis e maçantes, como estudar e responder emails do trabalho, consegui matar rapidinho e sem tanto esforço. E devo dizer que a minha "vontade" de estudar (ou algo muito parecido com vontade) tá aumentando bastante. Ter vontade de estudar é algo que há dois meses soaria bizarro pra mim... Hahahah

Tenho me sentido solitário. Na verdade eu sempre fui assim, mas não ligava (nem pra isso e nem pra nada que envolvesse sentimentos) porque a P tava sempre ali como anestesia pra tudo. Eu me bastava - e não no bom sentido. Tenho cada vez mais consciência de que eu tinha me transformado em um zumbi.

O complicado de ter sentimentos (haha) agora é que eu não sou acostumado a lidar com eles, então isso tudo se traduz em mais ansiedade e medo do que pode acontecer.

Notei que guardo rancor muito facilmente, e talvez esse seja um motivo da minha falta de amigos: eu espero o menor deslize da pessoa pra riscá-la da minha vida. Somos todos humanos, poxa... Todos nós erramos etc etc. Acho que chegou a hora de me livrar desse papel de vítima que eu vesti sem querer, desse pensamento fixo de que "as pessoas não prestam e sempre vão me decepcionar". Todos nós nos decepcionamos e tá tudo bem com isso.

Vamos ver como vai ser passar por cima dessa muralha imensa chamada ego.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 18/2/2017, 10:43
Dia 55 - 17/02

Dia tranquilo em relação a PMO. Aqui e acolá eu ainda tive ereções espontâneas seguidas de uma vontade bem forte de fantasiar com P, mas não tá sendo tão difícil controlar esses pensamentos e focar em qualquer outra coisa. O foda é que às vezes eu começo a fantasiar como quem não quer nada e só quando sinto o tesão nas alturas é que vem a força mental pra cortar a fantasia. É quase um coito interrompido dos pensamentos... Sei que isso tá absolutamente errado e que é brincar com o fogo. Vou parar.

Meu HD tá agora imerso em uma solução química pra remover qualquer resquício de umidade no interior. É a última cartada. Se não der certo, todas as informações nele estão perdidas, e eu não consigo ter ideia do tamanho do estrago que isso pode gerar no meu trabalho. Enquanto isso, tô focando nos estudos e tenho progredido até que bem rápido.

Depois dos insights que tive ultimamente em relação a amizades, resolvi quebrar a muralha e entrar em contato com alguns amigos distantes de quem eu guardava mágoa/rancor. Em uma dessas conversas eu senti meu peito apertar. Era um sinal físico de que eu me importo com aquela pessoa apesar de tudo, e isso é bem louco pra quem achava que tinha uma pedra de gelo no lugar do coração há alguns meses haha.

Seguimos Very Happy
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 19/2/2017, 10:03
Dia 56 - 18/02

Ontem eu dormi bem mais que o habitual. Achei que ficaria revigorado, mas passei o dia lerdo, cansadão, sonolento.

As ereções continuam frequentes e dão muuuito no saco. Parece que não consigo começar a fazer nada enquanto tô de pau duro. Ontem tive mais um episódio de MO, o terceiro desde o início do reboot (os dois primeiros foram no domingo passado). Acho que sou suspeito pra me defender e falar que foi por pura ~descarga de energia sexual~, porque sei que o que me levou a ter aquela ereção em específico foram flashes de P. Não foi espontânea. Mas posso dizer que novamente me concentrei pra não pensar em nada durante o ato (quase uma ordenha haha) e acho que consegui. Foi bem rápido e também tentei deixar a mão o mais "solta" possível. O orgasmo foi um lixo, quase como se eu estivesse assistindo outra pessoa se masturbar... Mas serviu pra dar uma abaixada na libido.

Uma coisa legal disso é que eu lembro de ter dificuldades pra chegar ao orgasmo mesmo nas sessões de PMO, que pra mim eram o ápice do prazer sexual... Bem raro, mas acontecia. Agora olha só pra mim: tô gozando rapidinho com a mão frouxa, sem estímulo visual e sem pensar em nada hahaha.

Meu último ex me ligou do nada. Eu fui bem canalha com ele várias vezes, e hoje, olhando pra trás, vejo uma relação clara entre essas atitudes que eu tive com ele (e com todos os meus outros ex) e o vício. Teve lavagem de roupa suja, como era de se esperar, mas no final eu pedi desculpas por tudo que fiz ele passar... E então falei do meu vício em P.

Enquanto lia o ebook eu enxerguei sintomas do vício em algumas pessoas do meu convívio, e pessoas com quem eu nunca tinha conversado sobre P, como ele. Aproveitei a deixa da ligação e falei que vi vários sintomas nele... E, espontaneamente, ele falou que é sim "um pouco" viciado, mas que ultimamente nem tanto, pois anda cheio de problemas e não tem tido tempo pra ver. Perguntei a última vez e ele respondeu "três dias". Hahaha

Durante a nossa relação eu estava talvez no meu pior momento em relação ao vício. Já falava com ele sobre fantasias como grupal, voyeurismo e sempre me surpreendia com a reação dele. Inicialmente ele demonstrava um pouco de espanto e medo (ainda era um namoro, afinal), mas não demorava muito pra ele se abrir e demonstrar interesse. Eu achava que tava com o cara certo, alguém que finalmente entendesse a minha "natureza poligâmica" (hahaha), mas era só autoengano. Essas coisas nunca chegaram a acontecer, pois terminamos nessa fase, mas sinto (pra não dizer que tenho certeza) que as consequências disso seriam bem graves em inúmeros aspectos. Um relacionamento com dois viciados em pornografia que sequer desconfiam disso é tragédia anunciada.

Dei uns toques pra ele, falei do fórum e do ebook e espero sinceramente que a ficha dele caia o quanto antes, pois comigo demorou um pouco. Ele falava em manter amizade, mas quando a gente se via ele sempre tentava me agarrar a força e eu me sentia bastante desrespeitado e objetificado. Dessa vez ele voltou a falar em amizade, e se for pra acontecer mesmo, que seja de verdade, com respeito mútuo. E nada melhor que uma atitude de ajuda pra catalisar uma amizade. Smile
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 20/2/2017, 09:38
Dia 57 - 19/02

Acordei às 6 da manhã sem sono e com uma chuvinha gostosa que durou o dia todo. Estudei um pouco e o resto do dia foi ver vídeos aleatórios no YouTube, cantar no karaokê, tirar um cochilo aqui, outro acolá... Que saudade que eu tava de ter um dia à toa. Very Happy Eu vinha tão focado em ser produtivo o tempo todo que desaprendi a apreciar a beleza no ócio. E eu até tinha dias assim antes do reboot, mas a culpa por "não estar sendo produtivo" me consumia tanto que eu não sabia aproveitar o momento.

Um amigo com quem eu tava brigado e voltei a falar esses dias me fez uma visita e foi ótimo. Eu tô quase sempre falando da MINHA vida e dos MEUS problemas, mas dessa vez me dispus a ouvir o que ele tinha pra contar de verdade e me senti até envergonhado por ter criado essa birrinha enquanto o mundo caía sobre a cabeça dele.

As ereções espontâneas continuam constantes e incomodam demais. Também tenho observado muito outros caras na rua (e até mulheres) e não curto muito como isso soa. Por um lado é legal porque significa que talvez eu esteja perdendo o medo do julgamento das outras pessoas, mas por outro eu tenho namorado E não é legal ser o taradão que seca todo mundo que passa haha.
Mensagens : 5
Data de inscrição : 06/01/2017
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 20/2/2017, 16:21
Bruquendi escreveu:Dia 57 - 19/02

As ereções espontâneas continuam constantes e incomodam demais. Também tenho observado muito outros caras na rua (e até mulheres) e não curto muito como isso soa. Por um lado é legal porque significa que talvez eu esteja perdendo o medo do julgamento das outras pessoas, mas por outro eu tenho namorado E não é legal ser o taradão que seca todo mundo que passa haha.

Parabens pelo diário cara. Tenho namorado tambem e ultimamente tenho muita vontade de trair. Jà estou duas semanas sem PMO e esse pensamento nao sai da minha cabeça. Vejo outros caras na rua e tenho vontade de levar pra casa rsrsrs
Te desejo muita sorte e sucesso!!! Parabéns!
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 21/2/2017, 09:02
Dia 58 - 20/02

Tesão nas alturas! E parece que a vontade é mais relacionada com sexo propriamente dito do que com P, o que é muito bom. Tinha marcado de ver meu namorado ontem à noite, e quando ele me disse que não podia porque tinha que ficar cuidando da avó eu me senti levando um balde de água fria - egoísmo puro, eu sei. Por um segundo eu tive medo, e não de uma recaída, mas de acabar transando com outra pessoa. Consegui me distrair nos estudos, e nos intervalos eu olhava as mensagens dele e me lembrava do porquê de valer a pena ser fiel... Eu amo esse carinha.

Tive um treino massacrante de perna ontem que me rendeu uma baita cãimbra no glúteo direito (!!!) no meio da academia. Foi HORRÍVEL. Gritei, esperneei, achei que fosse morrer etc etc. Apesar disso eu tô sedento pelo treino de amanhã hahahah. Em outros tempos eu ficaria uns bons dias sem pisar na academia, mas agora tenho uma noção maior de que a dor é temporária e que um treino pesado requer muito mais esforço psicológico do que físico.

Antes o que me tirava de casa pra puxar ferro era a vontade de ficar com corpo de ator de filme pornográfico... Mas enquanto eu tava lá, sofrendo, me batia um vazio existencial, uma sensação de "todo esse esforço pra algo tão banal?" Agora eu vejo os treinos como um desafio que eu travo contra os meus próprios limites físicos e principalmente mentais. É como se, ao lidar com muito esforço contínuo e dor intensa, eu estivesse aprendendo a controlar a minha própria mente, e quando você controla a própria mente você ganha o mundo. Não posso dizer que o objeto principal não é mais estética, porque é. Mas só de não sentir mais que passo uma hora do meu dia puxando ferro e dando meu sangue APENAS para me manter saradão eu já me sinto bem melhor.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 21/2/2017, 09:18
alvinegro0 escreveu:
Bruquendi escreveu:Dia 57 - 19/02

As ereções espontâneas continuam constantes e incomodam demais. Também tenho observado muito outros caras na rua (e até mulheres) e não curto muito como isso soa. Por um lado é legal porque significa que talvez eu esteja perdendo o medo do julgamento das outras pessoas, mas por outro eu tenho namorado E não é legal ser o taradão que seca todo mundo que passa haha.

Parabens pelo diário cara. Tenho namorado tambem e ultimamente tenho muita vontade de trair. Jà estou duas semanas sem PMO e esse pensamento nao sai da minha cabeça. Vejo outros caras na rua e tenho vontade de levar pra casa rsrsrs
Te desejo muita sorte e sucesso!!! Parabéns!

É complicado, alvinegro0. Eu sei que esse meu olhar "predador" para outras pessoas envolve sexo e APENAS sexo, e esses momentos são perigosos porque meu cérebro se autoconvence de que se é só sexo não tem problema... Mas tem. Sexo com amor é maravilhoso, e sexo sem amor ou qualquer forma de afeição é algo animalesco, puramente instintivo. Estamos eu e outro carinha desconhecido transando, mas no lugar dele poderia ser qualquer um... No meu também... Isso tira toda a beleza do ato. Não sei. Hahaha

Não que sexo sem compromisso não seja bom. Pode ser maravilhoso, mas no momento... Depois vira nada. Quase como uma cena de P que na hora te dá um tesão absurdo, mas que depois pode parecer até nojenta.

E acima de tudo isso tem o respeito ao meu namorado e ao laço de confiança que a gente construiu. Isso é muito maior do que um acesso de tesão.

E mesmo com tudo isso meio que claro na cabeça eu ainda tenho medo de trair... Acho que estamos na mesma haha. Sorte pra nós, maninho!
avatar
Mensagens : 23
Data de inscrição : 16/01/2017
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 21/2/2017, 09:38
Bruqs, daqui a pouco você completa 60 dias! Isso é 2/3 do reboot! Que dahora acompanhar alguém nesse processo =D

E sobre seu HD, novidades? Eu sei que perder backup é uma morte lenta... talvez seja bom você investir num HD externo pra manter backup das coisas sempre? Eles não são tão caros e tem uns de 500, 1000GB que parecem ótimos pra quem trabalha com vídeo.

Meu, seu namorado tem muita sorte de ter você. E você de ter ele. Parecem mesmo um casal muito fofo e (finalmente) em sintonia! É engraçado isso que você falou sobre achar que tinha um coração de gelo, porque eu também sempre achei a mesma coisa. Nunca consegui nem amar nem sentir plenamente nada por ninguém a maior parte da vida, então sempre suspeitei que eu tinha um defeito de fábrica. Hoje, depois de tanto ler relatos e depois de um período de reboot, eu vejo que realmente o vício rouba a nossa capacidade afetiva num nível que a gente nem se considera mais um humano inteiro.

Eu também tive um namoro bem conturbado com um cara que, olhando agora, também devia ter algum vício em P. Eu propunha várias fantasias bizarras e ele aceitava e queria mais, fazíamos planos de todo tipo de coisa e blablabla e eu pensando "nossa, que bom que tem alguém que aceita minha natureza depravada". Sendo que nem posso dizer até que ponto as coisas que eu propus eram minhas e até que ponto eram só desejos de encenar P.

De qualquer maneira, seu diário é ~topperson~, adoro ler!

_______________________________________


Passem no MEU DIÁRIO também =) !

avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 22/2/2017, 07:42
Dia 59 - 21/02

Apenas um dia para completar 2/3 da jornada e eu tô vivendo o que deve ser a pior fase até então... E olha que não foram poucas as fases ruins nesses 59 dias.

Tem um menino que é obcecado por mim há alguns anos. Pelos idos de 2015 ele virou BFF da minha irmã e ganhou passe livre pra entrar aqui em casa quando quisesse. O menino é até bonito, tem um corpo bacana, mas é tosco pra caralho, insistente e não tem o mínimo de respeito, nem por si nem pelos outros. Vejo uma autoestima extremamente fragilizada no fundo desse ser, mas isso é papo pra outra hora.

O fato é que no carnaval do ano passado ele bateu aqui em casa supostamente querendo falar com a minha irmã - tava todo mundo viajando menos eu, e ele COM CERTEZA sabia disso. Eu expliquei e ele pediu pra entrar porque queria procurar o carregador do celular que achava que tinha esquecido por aqui. 2 minutos depois ele já tava tirando a camisa e enfiando a língua no meu ouvido.

Pedi pra ele se acalmar, sentar e expliquei que tinha namorado e que gostava de ser fiel. Ele foi embora bem contrariado. Passei a tarde toda pensando naquele momento. Liguei pro cara, disse que tinha achado o carregador e a gente transou.

Foi um lixo, não aconteceu de novo e até hoje eu me arrependo, tanto da ficada em si quanto de ter traído meu namorado. Às vezes eu tento me convencer de que cedi porque achei que ele fosse parar de urubuzar (o que não aconteceu - na verdade só piorou), mas não, eu cedi porque tive vontade.

Hoje deitei às 4 da manhã depois de muitas horas de estudo e abalado por uma gripe (!!!) que ainda tá naquele estágio inicial de garganta coçando. 5h da manhã e eu ainda não conseguia dormir e com uma mega ereção acompanhada de muita vontade de fantasiar. Mais uma vez cedi à MO e fantasiei pela primeira vez desde o início do reboot... E com o carinha.

Sim, o carinha tosco com quem traí meu namorado e que sempre sinto nojo e repulsa quando lembro. Enquanto eu me masturbava aquela nossa transa parecia ter sido a melhor transa da minha vida, e é bizarro porque eu SEI que não chegou PERTO disso.

Gozei, ainda não consegui pregar o olho e desisti de dormir. Comecei o dia me sentindo um grande pedaço de merda e ainda com o pensamento fixo de trair meu namorado.

Vendo de fora dá pra ter uma ideia melhor do que isso possa significar: se antes meu cérebro sabia que P era a fonte de dopamina mais rápida e que exigia menor esforço, agora, com os bloqueadores, essa fonte parece ter mudado para o sexo casual. É o mais próximo de P que posso ter no momento: vários parceiros, corpos esculturais, muita sacanagem e nenhuma ligação de afeto. E conseguir """"tudo isso"""" (muitas aspas mesmo porque né) com uma única ligação ou mensagem é extremamente tentador para o meu cérebro doente.

Só isso explica eu ter fantasiado com um sexo ruim que tive. E com uma pessoa escrota. Com quem traí meu namorado. Na mesma época do ano...

É um misto de sensações e todas elas são horríveis. Às vezes parece que o fracasso é inevitável e que quanto menos eu lutar contra ele, menos eu vou sofrer.

Agora mesmo eu me flagrei com o pensamento absurdo de que "se transar sem beijar não é traição". Tô com nojo de mim mesmo. Smile

Estou extremamente atordoado por tudo isso e por essa noite sem dormir. O técnico ainda não deu um parecer sobre o HD, e ele tá me devendo esse parecer desde sexta. Me sinto imobilizado.

Eu ia comentar que ainda tô feliz por não ter tido nenhum acesso de loucura por ver P, mas esse episódio da última madrugada foi exatamente isso, só que mascarado de vontade de transar. O que eu queria na verdade era um sexo que recriasse as sensações que eu tinha com a P.

Então se nem nisso eu ganho, pelo menos posso dizer que esse chacoalhão serviu para eu me tocar de que a estrada não é tão fácil e linear como eu imaginei que seria... E que é preciso estar atento o tempo todo.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 22/2/2017, 07:56
narne escreveu:Bruqs, daqui a pouco você completa 60 dias! Isso é 2/3 do reboot! Que dahora acompanhar alguém nesse processo =D

E sobre seu HD, novidades? Eu sei que perder backup é uma morte lenta... talvez seja bom você investir num HD externo pra manter backup das coisas sempre? Eles não são tão caros e tem uns de 500, 1000GB que parecem ótimos pra quem trabalha com vídeo.

Meu, seu namorado tem muita sorte de ter você. E você de ter ele. Parecem mesmo um casal muito fofo e (finalmente) em sintonia! É engraçado isso que você falou sobre achar que tinha um coração de gelo, porque eu também sempre achei a mesma coisa. Nunca consegui nem amar nem sentir plenamente nada por ninguém a maior parte da vida, então sempre suspeitei que eu tinha um defeito de fábrica. Hoje, depois de tanto ler relatos e depois de um período de reboot, eu vejo que realmente o vício rouba a nossa capacidade afetiva num nível que a gente nem se considera mais um humano inteiro.

Eu também tive um namoro bem conturbado com um cara que, olhando agora, também devia ter algum vício em P. Eu propunha várias fantasias bizarras e ele aceitava e queria mais, fazíamos planos de todo tipo de coisa e blablabla e eu pensando "nossa, que bom que tem alguém que aceita minha natureza depravada". Sendo que nem posso dizer até que ponto as coisas que eu propus eram minhas e até que ponto eram só desejos de encenar P.

De qualquer maneira, seu diário é ~topperson~, adoro ler!

Oi, narne! Também tô feliz em saber que tô chegando nesse marco, apesar das bad vibes de ultimamente haha. Eu já perdi muito HD antes e depois de muita dor de cabeça comprei um HD externo e passei a fazer backups mensais religiosamente. O HD externo queimou (!!!) há pouco tempo e eu relaxei... Aí a lei de Murphy entrou em ação. Neutral

O que você falou sobre achar que não era capaz de sentir nada por ninguém poderia ter sido escrito por mim, sabia? Era exatamente isso que eu sentia. Agora eu tô uma pilha de nervos, emotivo pra caramba, chorando demaaaais (eu sempre chorei tão pouco que poderia até contar nos dedos as vezes... antes do reboot, é claro. haha)... É tão intenso que tem horas que não me reconheço. E é isso mesmo: acho que o vício roubou a minha personalidade e me fez acreditar que ele era parte inerente do meu ser. Agora, sem PMO, eu tô finalmente conhecendo quem eu sou de verdade.

"Sendo que nem posso dizer até que ponto as coisas que eu propus eram minhas e até que ponto eram só desejos de encenar P." Hahahah exato. Eu acho que 99% (e olha que odeio usar estatísticas aleatórias, mas nesse caso não tem jeito) do que eu achava que eram fantasias minhas eram pura e simplesmente desejos de encenar P, como você definiu tão bem.

Topperson é foda, hein? Já tô vestindo uma polo e preparando meu drink de vodka com red bull pra fazer jus ao título hahaha. Abraço! I love you
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 23/2/2017, 15:38
Dia 60 - 22/02

Peguei uma gripe chatinha que tá sugando a minha energia pra tudo. Não tô conseguindo estudar direito e no trabalho faço só o básico pra não virar bola de neve. O bom disso é que minha libido deu uma reduzida, e isso tem sido um alívio depois de dias subindo pelas paredes. Pra compensar eu tive uma noite maravilhoooosa com meu namorado e sinto a gente cada vez mais na mesma sintonia. <3

Eu não sou muito de lembrar dos meus sonhos, mas desconfio que ando sonhando muito com P, porque frequentemente acordo com a sensação OU achando de verdade que quebrei o reboot (???).

Minhas ereções andam bem fortes. Uma coisa que eu notei é que a glande parece ter aumentado. Antes ela parecia ser bem menor que o corpo do pênis e "murcha", como se o sangue não fosse até ela. Agora ela fica inchada, lustrosa e maior que o corpo do pênis, como uma glande deve ser haha. A lubrificação também tá intensa... E antes do reboot ela nem sequer chegava a acontecer. Smile

Hoje é o meu 60º dia de reboot. Tô bastante feliz por isso, mas tentando me conter pra não cantar vitória antes do tempo. O perigo maior nessa "reta final" é relaxar e baixar a guarda. Preciso e vou me fortalecer ainda mais.

Seguimos!
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 24/2/2017, 09:33
Dia 61 - 23/02

Depois de um par de noites mal dormidas (e uma não dormida haha) e a gripe pegando no pé, pisei no freio ontem. Acordei quase ao meio-dia, desmarquei compromissos e trabalhei apenas o necessário, tudo no meu tempo. Peguei nos livros só às 22h e tava a fim de compensar o desleixo com os estudos nos últimos dias, mas a minha concentração tava uma bosta e eu arreguei lá pelas 2h.

Sinto que as pessoas têm me observado bastante na rua, mas como eu simplesmente não sei lidar com olhares cruzados (principalmente com estranhos), ando sempre de cabeça baixa ou mirando uma linha imaginária no horizonte, então não dá pra saber se é real ou coisa da minha cabeça. O fato é que isso tem me intimidado bastante. Não me sinto desejado como pessoa, me sinto objetificado... E acho que sei o motivo. Ultimamente eu tenho me flagrado "predando" pessoas que andam na rua enquanto estou de carro, e quando os papeis se invertem (quando eu estou andando na rua) sinto medo de ser objetificado como eu mesmo faço com os outros. Um comportamento paradoxal e hipócrita. Pois é.

Hoje aconteceu um fenômeno estranho: acordei com uma ereção poderosa no meio de um sonho em que eu via P estática (fotos). No sonho as fotos apareciam por acidente, e enquanto eu fechava as janelas, mais e mais fotos apareciam. Quando eu dava por mim, tava vendo uma galeria enorme de fotos, e no sonho as fotos eram maravilhosas. Meu tesão tava nas alturas. Aquilo parecia o ápice do prazer, quase irresistível.

Não acordei de sopetão; teve meio que um "fade" entre o sonho e a realidade. Nesse intervalo eu considerei por alguns segundos jogar tudo pro alto e ver P. Quando recobrei a consciência 100% ainda havia um resquício de vontade, mas naturalmente vi o que tinha acabado de acontecer e me perguntei como um punhado de fotos de gente transando poderia ser melhor que o sexo real que eu tive com meu namorado há menos de 2 dias... A ereção foi embora quase que instantaneamente haha. Acho que foi a primeira vez desde o início do reboot que a voz da razão falou mais alto que a voz do vício sem que eu tivesse que me esforçar para isso. Ver pornografia é como gozar com o pau dos outros. Não faz o menor sentido. Neutral

Apesar de ter tido essa epifania eu ainda morro de medo do que pode acontecer. Nesses 61 dias eu percebi que uma hora você se sente o cara mais foda do universo, a ponto de se perguntar como um dia não conseguia viver sem aquela merda... E 15 minutos depois você já tá sedento por uma sessãozinha "inocente" de PMO. Por isso eu tô o tempo todo desconfiando de mim mesmo. Quanto mais alto o voo, maior a queda.

Seguimos.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 25/2/2017, 11:02
Dia 62 - 24/02

Peguei cedo nos livros e 20 minutos depois já tava de saco cheio. Deitei pra relaxar antes da academia e... MO. Ao invés de tentar "zerar" o pensamento ou pensar em algo nada a ver (semana passada eu me masturbei mentalizando a fórmula de Bhaskara - !!!), dessa vez eu me deixei levar pelas sensações físicas do ato. Não teve fantasia. Apesar de depois eu ter me sentido um lixo, como já é de praxe, também me senti reassumindo o controle sobre o meu próprio corpo... E isso parece bom. Digo "parece" porque não sei até que ponto essa sensação de alívio pode ser verdadeira ou apenas uma racionalização do meu cérebro doente.

Cheguei da academia exausto e sedento por qualquer tipo de prazer instantâneo. Foi quando tive talvez a pior crise de abstinência desde o início do reboot. De repente nada do que eu tinha lido importava; de repente esses 61 dias eram insignificantes perto do prazer de ver P. Eu cheguei a cogitar bater na porta de um vizinho com quem eu já fiquei e que vive na minha cola. Tava facinho. "Sexo não quebra o reboot", pensei. O sexo com esse cara foi um dos mais apáticos que eu já tive na vida, mas na hora da crise parecia ter sido incrível. Eu tava sedento por P, e se não fosse a P propriamente dita, que fosse uma transa onde eu pudesse encenar P.

No desespero, me bateu o insight de que eu tava praticamente ignorando a fase de religação. Liguei pra um amigo sem pensar duas vezes (e olha que detesto ligações). Ele sabe da minha história com o vício superficialmente - inclusive eu desconfio que ele seja viciado e já dei uns toques pra ele mudar essa situação, caso queira. Desabafei que tava a ponto de quebrar o reboot ou trair meu namorado e que precisava me distrair urgentemente. Ele me chamou pra passar o carnaval com os amigos dele e eu tô honestamente sem o mínimo de vontade, mas vou me forçar a ir.

Depois dessa ligação tudo se acalmou. Fiquei tranquilão e consegui estudar até que bem. A conclusão que eu tiro disso tudo é que ter alguém com quem você possa contar é fundamental, e admitir isso é duro pra alguém que sempre botou banca de auto-suficiente em todas as áreas da vida. Se uma conversinha rápida ao telefone com um amigo me impediu de fazer uma cagada enorme e irremediável (e falo da traição, pois, ao contrário do reboot, em um relacionamento você não reseta o contador quando trai a confiança de quem você ama) então não restam dúvidas sobre a importância da fase de religação.

Os esforços nessa reta final serão em torno da fase de religação. Seguimos.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 27/2/2017, 15:47
Dias 63 e 64 - 25 e 26/02

Passei o sábado inteiro na badzona depois do episódio de MO. Procrastinei demaaaaais o dia inteiro e só fui pegar em livro na madrugada de sábado pra domingo. Entre um bloco de estudos e outro eu costumo ver vídeos de música no YouTube pra relaxar a mente e começar o próximo bloco com a cabeça descansada.

Em um desses intervalos eu comecei a ver um clipe da Rita Lee dos anos 90 que tinha um puta gatilho: vários caras com farda de soldado e de repente um deles beija o outro. Isso PÁ, já no começo. Não deu tempo nem de respirar.

Eu não sei se consigo descrever a minha sensação na hora, mas lembro de ter ficado com a boca aberta e de ter murmurado um "meu deus... E agora?" Depois de dois meses de esforço eu tava lá, na frente da tela de um computador vendo dois caras se beijando e me contorcendo de tesão. É triste admitir isso, mas acho foi o maior pico de desejo sexual que eu tive desde o começo do reboot.

No meio dessa tensão toda eu comecei a lembrar das transas que tive com meu namorado desde o início do reboot e fiquei triste por sentir muito mais tesão naquela cena. Pra mim, naquele momento, aquela situação era a prova de que não importava o tamanho do meu esforço, pornografia sempre seria melhor do que sexo real. De repente me deu um estalo e eu notei o quão ridículo isso soa... Porque eu sinto tesão em ver dois caras simulando um ato sexual se eu mesmo posso fazer isso? Quando que a simulação passou a ser melhor do que a realidade?

Depois desse insight ficou bem claro que o vício tava falando por mim, e tanto a ereção quanto o desejo "incontrolável" sumiram na hora.

Passei o domingo com meu namorado e fizemos um sexo incrível, mas não consegui gozar na penetração. Ele percebeu que eu não ia conseguir e invertemos os papéis pra que eu pudesse me masturbar. Ele gozou rapidinho e eu não tava nem perto, então fiz a cagada de fantasiar com pornografia pra chegar lá. Mesmo fantasiando demorei demais pra gozar e o orgasmo foi um lixo.

Depois de ter me sentido extremamente vulnerável diante de um gatilho e de ter fantasiado durante o sexo, acho que nem preciso falar que me sinto horrível, como se tivesse resetado. Eu ainda não tinha parado pra pensar na possibilidade de parar a transa por não conseguir gozar, pois antes do reboot eu quase sempre fantasiava pra chegar lá... Mas agora vai ser o jeito. Eu prefiro cortar totalmente o clima e assumir que não vai rolar do que forjar um sexo perfeito tendo que recorrer a pornografia.

Sexo real não é perfeito. Tem broxada, tem cortada de clima... E tá tudo bem.

Sexo perfeito é pornografia. Pornografia é simulação de sexo. Se é simulação, não é de verdade e, portanto, não é sexo. Tenho que digerir essa verdade.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 28/2/2017, 13:52
Dia 65 - 27/02

Ontem à noite meu namorado veio pra cá me ajudar a montar o PC novo. Ele avisou que viria só pra isso, que seria jogo rápido etc etc, mas no final a gente já tava transando de novo... E o negócio tá ficando cada vez mais intenso. Laughing Eu só não consigo me livrar da culpa por não gozar e da pressão para que isso aconteça em toda transa. Parece que agora que rolou uma vez, tem que rolar sempre... E essa pressão parte só de mim.

Ele me chamou pra beber na casa de um casal de amigos dele e eu não quis. Ok, eu nunca quero, mas dessa vez eu nem considerei ir a contragosto, como manda a fase de religação... Eu simplesmente disse que não tava com vontade e não fui. Não tô me sentindo tão culpado porque virei a noite estudando. Se eu tivesse deixado de me divertir com meu namorado pra procrastinar durante horas dentro do meu quarto, aí sim a sensação de culpa seria esmagadora.

Hoje eu acordei com um tesão desgraçado e bati uma. Não teve fantasia com P, mas pra quem pensava em chegar aos 90 dias em hard mode, a frequência dos episódios de MO tá bem alta. Eu tenho consciência da importância da abstinência de MO pra reverter a ejaculação retardada e ficar longe da P, e MESMO assim, quando menos espero acontece. Tenho tido transas incríveis com meu namorado, e MESMO assim ainda não tô conseguindo me livrar da MO, ou pelo menos reduzi-la ao mínimo possível. Tô bem desanimado.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 1/3/2017, 13:32
Dia 66 - 28/02

Tinha combinado com um amigo que não vejo há eras de pular carnaval junto nessa terça, mas na hora dei pra trás. Pensei no trânsito pra chegar até lá, no trabalho que eu teria pra encontrá-lo no meio de uma multidão e preferi a minha cama.

Minha fase de religação tá uma porcaria e eu me sinto frustrado por não conseguir mudar essa situação. Eu sei que tenho que ver gente, mas quando isso vira um compromisso, uma "obrigação", se torna mais desgastante pra mim do que já é normalmente.

Pensei um pouquinho e decidi que vou tirar as noites de sábado pra sair. Mas a diferença aqui para as minhas outras tentativas ao longo do reboot é que dessa vez eu não vou combinar nada. A ideia é: chegou sábado à noite, eu vejo o que tem pra hoje de última hora e apenas vou, sem pensar tanto sobre. Se tudo correr normalmente, vai ter dias em que a saída se revelará uma agradável surpresa e dias em que eu vou querer dar tudo pra voltar pra casa o mais rápido possível... Mas a vida é assim, né não?

Na madrugada de ontem pra hoje eu repeti meu recorde de tempo de estudo do dia anterior I love you . Mesmo focado, a sensação de melancolia não me largou em nenhum momento. Esses dias estão sendo bastante difíceis.

Na hora de dormir eu fantasiei e comecei a me masturbar. No meio do ato o celular apitou e caiu a minha ficha do que eu tava fazendo. O estrago já tava praticamente feito, então, pra não ficar no edging, fui até o final sem fantasiar. O orgasmo veio rapidinho e foi tão lixo que deve ter durado uns 2 segundos no máximo.

Não preciso falar do tamanho da culpa que eu tô carregando, mas dessa vez não vou ficar me martirizando por isso. Aconteceu e bola pra frente. O negócio é continuar procurando meios para concretizar a fase de religação, mesmo que na situação caótica que eu tô agora isso pareça uma utopia.

Seguimos.
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 23/3/2017, 00:44
Fala, galera. Tive uma fase infernal pós-carnaval com tudo de ruim acontecendo ao mesmo tempo. Perdi o HD, quase perdi o celular, fiquei impossibilitado de trabalhar por 3 semanas, a avó do meu namorado morreu... E enquanto configurava o PC novo, não deu outra, recaí. Desde então foram umas 2 semanas tentando reiniciar o reboot e falhando sempre com menos de 5 dias. Dessa vez eu decidi que vou voltar a escrever aqui, porque funciona como uma terapia pra mim.

Dias 1 e 2 - 21 e 22/03

No primeiro dia eu fui à missa de 7º dia da avó do meu namorado e dormi na casa dele. Apesar desse quase 1 mês de recaídas minha ereção tá fortíssima e minha libido também. Tive umas sensações bem diferentes, mais genuínas... Também tenho me importado menos com a performance sexual. As coisas mudam bastante quando você para de se preocupar em demonstrar prazer. Tinha uma consulta importante marcada pra quarta de manhã, mas só levantei da cama às 15h e ainda enrolei bastante pra ir embora. Ainda não consegui voltar à rotina de estudos desde a primeira recaída e isso tá me matando. Sad
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 25/3/2017, 02:31
Dias 3 e 4 - 23 e 24/03

Continuo treinando assiduamente e isso tem sido um motivo de orgulho pra mim. Smile O treino de quinta rendeu bastante, mas o de sexta foi beem puxado. Cheguei em casa às 15h e capotei até as 20h. Motivação pra estudar continua zero, e o tempo que eu tenho conseguido dedicar aos estudos tá vergonhoso. As sensações que prevalecem são de moleza, falta de ânimo e vontade de ficar recluso em casa. A minha ansiedade social piorou bastante desde o reset. Me rendi à masturbação (sem fantasias) duas vezes nesses dois dias, mas tô tentando não criar muito caso sobre.


Última edição por Bruquendi em 27/3/2017, 03:26, editado 1 vez(es)
avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 27/3/2017, 03:26
Dias 5 e 6 - 25 e 26/03

Passei o sábado inteiro e parte do domingo com meu namorado e foi suaaave. Me sinto à vontade e transparente com ele como nunca me senti antes. Libido tá ok e senti algumas sensações diferentes durante o sexo, mas nada "wow". Meu sentimento por ele tá se fortalecendo, e isso é o que mais tem me animado na experiência do reboot até agora. Cheguei em casa no domingo à noite; agora são 4h da manhã de segunda e eu não tenho ideia do que tô fazendo com a minha vida. Mas seguimos. ^^
avatar
Mensagens : 1451
Data de inscrição : 20/01/2015
Idade : 33
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 27/3/2017, 19:32
Bruquendi escreveu:Dias 5 e 6 - 25 e 26/03

Passei o sábado inteiro e parte do domingo com meu namorado e foi suaaave. Me sinto à vontade e transparente com ele como nunca me senti antes. Libido tá ok e senti algumas sensações diferentes durante o sexo, mas nada "wow". Meu sentimento por ele tá se fortalecendo, e isso é o que mais tem me animado na experiência do reboot até agora. Cheguei em casa no domingo à noite; agora são 4h da manhã de segunda e eu não tenho ideia do que tô fazendo com a minha vida. Mas seguimos. ^^

Oi Bruquendi
Não sei se estou enganando, mas não era vc que tinha uns problemas com família - mãe e irmão. Parece que você emprestou um dinheiro pra sua mãe e ela não fez a reforma algo assim to enganado? Como está essa questão com seus familiares #familia - #tambémnomeudiário

_______________________________________
Recordes:
90 dias - em 2015
71 dias - em 2016
32 dias - 2017 - maio
15 dias - 2017 - junho/julho
32 dias - 2017 - agosto - último
26 dias - 2018 - janeiro
81 dias - 2018 - julho


avatar
Mensagens : 120
Data de inscrição : 25/12/2016
Ver perfil do usuário

Re: Diário Bruquendi

em 27/3/2017, 21:22
David Silva escreveu:
Bruquendi escreveu:Dias 5 e 6 - 25 e 26/03

Passei o sábado inteiro e parte do domingo com meu namorado e foi suaaave. Me sinto à vontade e transparente com ele como nunca me senti antes. Libido tá ok e senti algumas sensações diferentes durante o sexo, mas nada "wow". Meu sentimento por ele tá se fortalecendo, e isso é o que mais tem me animado na experiência do reboot até agora. Cheguei em casa no domingo à noite; agora são 4h da manhã de segunda e eu não tenho ideia do que tô fazendo com a minha vida. Mas seguimos. ^^

Oi Bruquendi
Não sei se estou enganando, mas não era vc que tinha uns problemas com família - mãe e irmão. Parece que você emprestou um dinheiro pra sua mãe e ela não fez a reforma algo assim to enganado? Como está essa questão com seus familiares #familia - #tambémnomeudiário

Oi, David! Tenho um histórico de problemas familiares com minha mãe e minha irmã caçula (não tenho irmão). De uns meses pra cá minha relação com minha irmã caçula teve uma reviravolta e eu sinto que tô servindo como alicerce pra ela, já que nossa mãe é horrível no papel de... ser mãe. Sempre que posso converso com ela. Consegui uma consulta de graça pra ela na minha psicóloga e ela foi diagnosticada com depressão. Já tá tomando o remédio e a situação dela melhorou bastaaante. Minha mãe já é um caso perdido. Não tenho esperança alguma de ver esse dinheiro de novo, e atualmente vejo ela como mais um parente com quem eu sou obrigado a lidar. Sobre a reforma, acabou não rolando. Meu HD pifou e eu fui forçado a parar a vida toda pra montar o PC novo com meu quarto do jeito que tá - inclusive foi nessa brecha de PC novo sem bloqueadores que resetei, pertinho de completar 70 dias. Me livrei de alguns objetos pra desocupar espaço e tá dando pra trabalhar legal, mesmo com tudo bem apertado. Smile Obrigado por perguntar. Abraço!
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum