Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo...

+15
Lutador com Cristo
Aliócha
parbat
Drew
Rottweiler
Lima Gomes
Erkigsnek
Jean Claude Wan Damme
nostradamus
MascaradeFerro
deltagama_0236
Extress pós traumático
Coringa.
Mithrandir
VanGogh
19 participantes
Ir para baixo
jwin17
jwin17
Mensagens : 65
Data de inscrição : 10/12/2020

 Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo... - Página 10 Empty Re: Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo...

14/10/2022, 16:41
Pelo teu português, provavelmente és português certo? Como está essa luta? Estive bastante tempo sem vir aqui ao fórum, mas uns dias atrás retomei a minha "recuperação". É bom saber que há mais tugas por aqui... Abraço e siga nisso my friend!

VanGogh gosta desta mensagem

avatar
Convidado
Convidado

 Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo... - Página 10 Empty Re: Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo...

6/11/2022, 08:14
VanGogh como vai a luta? Estamos juntos, força!
VanGogh
VanGogh
Mensagens : 226
Data de inscrição : 25/05/2020

 Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo... - Página 10 Empty Re: Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo...

4/12/2022, 20:11
Meus caríssimos Amigos, venho aqui após muito tempo de ausência com boas e más notícias. Quero, antes de mais, dizer que a minha ausência do fórum não foi uma fuga mas sim uma estratégia de luta. Eu tive uma recaída no dia 9 de Setembro e sei que a partir de dia 14 iniciei novo reboot, sendo que já não me lembro se de dia 9 a 14 houve mais algum deslize, mas penso que não. Desde esse dia até à semana passada que mantive o reboot de uma forma que nunca tinha conseguido até agora. Posso dizer que este tempo em que consegui, com muito sucesso, manter-me afastado de PMO me trazem uma certeza de que realmente eu conseguirei muito mais! Vou relatar um pouco do que se passou durante este tempo, tanto para organizar ideias mas também para que o diário registe realmente os passos que vou dando, apesar do tempo de atualização ser mais distante.

Como disse, iniciei o reboot no dia 14 de Setembro e apoiei o inicio com a instalação do único bloqueador que instalei até agora, para além das mudanças nas configurações de DNS e outros modos de restrição de idade já presentes nas aplicações e sistemas em geral. Eu penso que isso foi uma ajuda extra mas noto que o controlo efetivo partiu de mim, uma resistência que foi crescendo, como expectável, ao longo do reboot. No início o ânimo é sempre mais reduzido, mas com o tempo tudo parece encaixar-se com mais harmonia. Ao longo das várias semanas houveram momentos de lembrança ou tentação mas foi residual e reparei que, apesar desses momentos serem efetivos e reais, já não me afetavam tanto ou me deixavam naquela ansiedade de querer consumir PMO. Isto para mim é importante pois eu noto que a minha experiência de reboot é cíclica, ou seja, o padrão inicia com um estado muito frágil e desanimado, que vai retomando o normal, por assim dizer, mas que de tempo a tempo, sofre um apelo forte ou então há uma série de cedências, iniciadas internamente mas depois apoiadas por pequenos comportamentos externos que vão ajudando a desmoronar tudo e aí dá-se a queda e retoma tudo ao que explanei. Ora, a resistência e sucesso do reboot só se atinge se houver um máximo de cuidado durante o período inicial e em momentos de potencial deslize interno > a passar para externo. No fundo nunca dá para controlar tudo mas dá para contornar e criar estratégias. A proximidade com realidades que seja benéficas, belas e reais geralmente levam-me para um panorama cerebral oposto ao criado por PMO, que é malévolo, feio e mentiroso ou irreal. Eu acho que isso me ajudou muito. Ou seja, ao longo destes meses eu notei que tive momentos e realizei coisas que me foram afastando quase totalmente da ideia de PMO.

Quanto à queda que tive na semana passada, foi uma rotura ao fim de quase 90 dias e isso é sempre entristecedor mas acho que foi também uma aprendizagem importante. Há umas semanas atrás, começaram vários problemas, quer em casa com problemas de saúde inesperados, quer com coisas a avariar ou a desaparecerem, como também o trabalho que se tornava muitas vezes fonte de preocupações contantes. Não posso negar que este conjunto de preocupações me estava a afetar de algum modo mas eu tive a plena consciência disso e mesmo assim eu mantive o afastamento de PMO com muito sucesso. A questão fundamental foi a cedência interna, que começou a levar a pequenas cedências externas, isto num curtíssimo período de tempo e num dia, num único dia, tudo cedeu. Ou seja, a importância da gestão dos momentos cruciais é fundamental. Reconheço que aí falhei mas creio que consegui algo que nunca tinha conseguido até aqui e isso anima-me a retomar para superar, até porque em quase 90 dias sem PMO mais uma vez se notam os vários pontos positivos. Eu sei que PMO não é o meu principal problema mas algo urgente de resolver para conseguir reparar talvez aquilo que me leva a cair, que não é PMO em si mesma mas um certo desequilíbrio interno meu. Eu noto isso com outras coisas, uma espécie de desordem que de vez em quando se manifesta no entanto com PMO essa desordem vira a minha vida nesse mesmo "caos". Eu acredito que vou vencer isto, com a graça de Deus!

Ah, e sabem uma coisa? Nesta recaída eu vi com tanta clareza uma coisa. Apesar de eu ter consumido desde há tanto tempo P e PMO ser uma realidade diária na minha vida por tantos anos e isso ter, sem dúvida, consequências na minha mente e naquilo que por vezes me vem à consciência e que tantas vezes luto, eu apercebi-me com muita plenitude que eu realmente não sou isto, o meu ser não quer isto nem se corresponde com isto. Apesar de saber que isto me faz sentir, por breves segundos, um prazer, que nunca vale a pena, ou que, em caso de Edgind, me deixa quase em êxtase por várias horas mas me faz sentir um escravo perdido, que não vê naquilo que está a ver aquilo que procura e quer para a sua vida.

Noto também uma outra coisa que creio que pode funcionar a meu favor. Desde há bastante tempo que eu percebi em mim, no ponto de vista psicológico e no campo da personalidade, que sou alguém que ultrapassa com facilidade as crises, que após passar a tormenta o "esquecimento" da mesma é rápido. Coloquei esquecimento entre parenteses porque eu sei o que faço e o que acontece mas o meu foco cerebral manda tudo isso para alguma gaveta da qual raríssimas vezes tenho acesso. Em toda a minha vida noto isso, como os eventos traumáticos são assimilados por mim com uma lembrança não dolorosa, apesar de o ter sido na altura, e de não gerar em mim muitas recordações recorrentes ou ressentimentos. Com PMO eu esqueço com facilidade as cenas, os contextos, as imagens. Eu trabalho na área da imagem e tenho muita coisa em mente mas creio que o mecanismo cerebral realmente sabe o que lhe interessa manter com mais foco. Graças a Deus por isso.

Bem, Amigos, vou seguir na luta! Mesmo nas recaídas, façam o mesmo. Vale a pena lutar. Levarei esta luta até à morte.

Força!

15.08.2022 > 09.09.2022 | 09.09.2022 > 29.11.2022

_______________________________________



---------------->     Diário de VanGogh     <----------------

Se você perdeu dinheiro, perdeu pouco.
Se perdeu a honra, perdeu muito.
Se perdeu a coragem, perdeu tudo.
Vincent Van Gogh

Rottweiler gosta desta mensagem

avatar
Convidado
Convidado

 Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo... - Página 10 Empty Re: Diário de Van Gogh - Vencendo o meu maior inimigo...

9/12/2022, 00:35
Que mensagem inspiradora VanGogh, vais superar esta fase do vício. Alcançaremos a vitória! Recai ontem, mas amanhã é um novo recomeço!
Ir para o topo
Permissões neste sub-fórum
Não podes responder a tópicos