Ir para baixo
avatar
Sherok
Mensagens : 2
Data de inscrição : 08/01/2022

Desabafo - A procura da cura Empty Desabafo - A procura da cura

8/1/2022, 22:01
Bom, não sei como começar mas, assim como a maioria, tive contato com pornografia muito cedo. Lembro como se fosse hoje: durante o intervalo da escola um amigo me mostrou no celular um site e desde esse dia nunca mais parei de assistir. Nunca passou pela minha cabeça que a masturbação e a pornografia pudessem ser um problema, pelo contrário, eu via como um acesso a um mundo até então desconhecido. Foram vários os dias que, mesmo sem vontade, eu acabava assistindo e consequentemente me masturbando por achar que tendo mais contato com aquilo eu estaria mais preparado, com mais experiência e performance na hora do ato sexual verdadeiro.

Só fui me dar conta do tamanho do problema que arrumei pra minha vida a partir das primeiras relações sexuais.

Com as primeiras garotas até que passou batido, foi bacana, não senti que tivesse nenhum problema. Libido normal, ereções normais. (Acho que era porque estava experimentando algo novo e o cérebro estava curtindo esse período de novidade). Mas a medida que o tempo passava o histórico de consumo de pornografia também aumentava. E foi aí que eu comecei a sentir e me preocupar com coisas que antes não me afetavam, como: a falta de libido, ejaculações retardadas durante o sexo, necessidade da parceira finalizar com a boca ou mãos, dificuldade em manter as ereções no momento de colocar a camisinha ou de iniciar a penetração. Até que algo me frustrou totalmente: a disfunção erétil.

Desde o primeiro episódio de falta de libido eu já me preocupei bastante, era algo que me frustrava muito e me deixava extremamente ansioso. Pois, além de ser novo, sou saudável, pratico musculação todos os dias, me mantenho ativo e me alimento bem. Meus exames estavam em ordem (cheguei a ir ao endócrino algumas vezes para ver se era algo hormonal). Então isso, definitivamente, não era normal.

E, depois de muito tempo pesquisando sobre esses sintomas, tentando buscar as causas e soluções, consegui encontrar a culpada de tudo isso: a maldita pornografia.

Hoje, por sinal, eu já aprendi sobre praticamente todos os malefícios que ela pode causar, como ela atua e modifica nosso cérebro, nossos comportamentos e até mesmo nossa forma de enxergar o mundo e as pessoas. Mas, infelizmente, eu ainda não encontrei a solução. Me sinto rico de informação e conhecimento sobre as causas, os malefícios, os desdobramentos fisiológicos. Ao mesmo tempo que me sinto pobre sobre estratégias, métodos e caminhos para largar esse vício de uma vez por todas.

Por coincidência, encontrei esse fórum e os seus artigos após uma recaída severa. E escrevo aqui hoje com esperança de que alguém ainda acesse, leia o meu depoimento e possa me ajudar. Como vocês se libertaram? O que fizeram? Como fizeram? Quais foram as maiores dificuldades e como passaram por elas?

Enfim, são muitas perguntas porque estou de fato, convicto de que não apenas quero, mas preciso extinguir esse vício da minha vida. E também para que possa, futuramente, ajudar quem está nessa terrível situação.

Vitoriosa, Charada019 e celipo gostam desta mensagem

Vitoriosa
Vitoriosa
Moderadora
Moderadora
Mensagens : 1123
Data de inscrição : 10/12/2018

Desabafo - A procura da cura Empty Re: Desabafo - A procura da cura

8/1/2022, 23:24
Oi, Sherok!

Que bom que você chegou! Seja muito bem-vindo ao Fórum "Vício em Pornografia, Como Parar?". Aqui, ao mesmo tempo em que construímos um novo caminho por meio da reversão do vício, também construímos uma família. Por isso, desejamos que você se sinta bem entre nós, ao mesmo tempo que encontre oportunidades e condições para aprender e crescer.

Confira algumas orientações, caso já esteja adotando algumas delas, parabéns!

  • Conheça a legislação do Fórum: Regras de Participação, Orientações Básicas e Proibições.

  • Veja como gerenciar seu diário em Como criar um diário no Fórum.

  • Conheça o Guia Introdutório e aprenda o básico sobre o processo de reversão do vício ou adquira o Curso Online Programa Revert (Super Recomendado) para ter acesso a informações mais completas.

  • Confira o arsenal tecnológico para te auxiliar na proteção contra o vício: Configuração do Clean Browsing; Bloqueamento via Hosts; Inter App Control Pro (Pago); Blok Supreme (Pago); Download do Qustodio (A versão gratuita já é suficiente). Para maiores informações e/ou encontrar outras opções acesse a Seção Ferramentas e Bloqueadores.

  • Conheça os navegadores (para smartphone) que já vem com proteção contra o vício e escolha um: Spin, Kids Safe Browser (Pago) e Mobicip. Instale o NetAngel para bloquear a pornografia em seu smartphone, bem como o AppLock que pode ser utilizado para bloquear o serviço de distribuição de aplicativos, as configurações do smarthpone, dentre outras coisas. Para maiores informações e/ou encontrar outras opções para Android, iOS ou Windows Phone acesse a Seção Ferramentas e Bloqueadores.

  • Dica: Cadastre um e-mail temporário descartável em seus softwares, pois, assim, você evita uma possível recuperação da senha. Utilize também um método de ocultação de senha, para evitar que você desative os bloqueadores em um momento de fissura. Acesse: Método para esconder a senha.

  • Instale um contador de dias: Tutorial Contador de Dias, para te situar em sua jornada.

    Avalie também a necessidade de abandono de outros vícios que podem de alguma forma te atrapalhar no processo, como masturbação, álcool, outras drogas lícitas e ilícitas, games, comidas e outros.

  • Priorize as atividades de religação, tais como: socialização, trabalho voluntário, trabalho manual prazeroso, leitura de livros, mindfulness, meditação, yoga, musculação, natação, ciclismo, pilates, hidroginástica, crossfit, boxe, lutas diversas, dança, caminhada, corrida, zumba, voleibol, futebol e muitas outras. Não foque muito em quantidade, mas na qualidade.

  • Não desperdice o seu tempo em redes sociais, pois muitas delas atuam como verdadeiras "playboys digitais", tais como: facebook, instagram, twitter, pinterest e outras. Evite também a navegação a esmo.

  • Não abandone o fórum, atualize constantemente o seu diário. Certifique-se de ter relatado toda a sua história de envolvimento com a PMO, para que, assim, possamos ajudá-lo(a) da melhor forma. Iremos empenhar todos os nossos esforços para te assistir, e sempre que puder ajude outros aqui também.

Abraços!

_______________________________________
Vitoriosa
celipo
celipo
Mensagens : 14
Data de inscrição : 09/01/2022

Desabafo - A procura da cura Empty Re: Desabafo - A procura da cura

9/1/2022, 01:20
Boa noite. Interessante como que ao ler cada relato de um viciado em pornografia eu me sinto na pele do autor, você descreveu exatamente tudo que eu passo, descobri que eu era de fato viciado (já tinha suspeitas) aos 21 anos de idade quando fui ter a minha primeira relação sexual , descobri que mesmo praticando atividade física todo dia há anos, com testosterona (atestado por exames) no teto, eu simplesmente tinha disfunção erétil, além disso, totalmente dessesenbilizado, como se toda a dinâmica com as garotas não significasse nada, era algo totalmente psicológico. Estou tentando nofap desde o dia 22 de agosto de 2021, já recaí inúmeras vezes e o meu ápice foi 14 dias sem pornografia/masturbação, não tenho gabarito para te ajudar, afinal, eu estou no mesmo barco, mas bloquear os sites pornográficos por todos os meios possíveis (DNS, aplicativos, safe search etc) do seu computador/phone vai te ajudar, lógico, na urge do viciado nós iremos desativar tudo, mas é um obstáculo a mais. No mais, boa sorte na sua jornada, com certeza já temos um avanço enorme ao reconhecer que somos viciados e indetificarmos a causa do que desacelerou o nosso desenvolvimento social, sexual e emocional ao longo dos anos, tenho plena certeza que esse ano irei conseguir sair desse poço.

Sherok gosta desta mensagem

Charada019
Charada019
Mensagens : 42
Data de inscrição : 27/12/2021

Desabafo - A procura da cura Empty Re: Desabafo - A procura da cura

9/1/2022, 02:55
Sherok escreveu:Bom, não sei como começar mas, assim como a maioria, tive contato com pornografia muito cedo. Lembro como se fosse hoje: durante o intervalo da escola um amigo me mostrou no celular um site e desde esse dia nunca mais parei de assistir. Nunca passou pela minha cabeça que a masturbação e a pornografia pudessem ser um problema, pelo contrário, eu via como um acesso a um mundo até então desconhecido. Foram vários os dias que, mesmo sem vontade, eu acabava assistindo e consequentemente me masturbando por achar que tendo mais contato com aquilo eu estaria mais preparado, com mais experiência e performance na hora do ato sexual verdadeiro.

Só fui me dar conta do tamanho do problema que arrumei pra minha vida a partir das primeiras relações sexuais.

Com as primeiras garotas até que passou batido, foi bacana, não senti que tivesse nenhum problema. Libido normal, ereções normais. (Acho que era porque estava experimentando algo novo e o cérebro estava curtindo esse período de novidade). Mas a medida que o tempo passava o histórico de consumo de pornografia também aumentava. E foi aí que eu comecei a sentir e me preocupar com coisas que antes não me afetavam, como:  a falta de libido, ejaculações retardadas durante o sexo, necessidade da parceira finalizar com a boca ou mãos, dificuldade em manter as ereções no momento de colocar a camisinha ou de iniciar a penetração. Até que algo me frustrou totalmente: a disfunção erétil.

Desde o primeiro episódio de falta de libido eu já me preocupei bastante, era algo que me frustrava muito e me deixava extremamente ansioso. Pois, além de ser novo, sou saudável, pratico musculação todos os dias, me mantenho ativo e me alimento bem. Meus exames estavam em ordem (cheguei a ir ao endócrino algumas vezes para ver se era algo hormonal). Então isso, definitivamente, não era normal.

E, depois de muito tempo pesquisando sobre esses sintomas, tentando buscar as causas e soluções, consegui encontrar a culpada de tudo isso: a maldita pornografia.

Hoje, por sinal, eu já aprendi sobre praticamente todos os malefícios que ela pode causar, como ela atua e modifica nosso cérebro, nossos comportamentos e até mesmo nossa forma de enxergar o mundo e as pessoas. Mas, infelizmente, eu ainda não encontrei a solução. Me sinto rico de informação e conhecimento sobre as causas, os malefícios, os desdobramentos fisiológicos. Ao mesmo tempo que me sinto pobre sobre estratégias, métodos e caminhos para largar esse vício de uma vez por todas.

Por coincidência, encontrei esse fórum e os seus artigos após uma recaída severa. E escrevo aqui hoje com esperança de que alguém ainda acesse, leia o meu depoimento e possa me ajudar. Como vocês se libertaram? O que fizeram? Como fizeram? Quais foram as maiores dificuldades e como passaram por elas?

Enfim, são muitas perguntas porque estou de fato, convicto de que não apenas quero, mas preciso extinguir esse vício da minha vida. E também para que possa, futuramente, ajudar quem está nessa terrível situação.
Crl mano me identifiquei demais com seu relato, tenho EP e sempre procurei medicos, fiz exames e tudo normal, em agosto de 2020 eu descobri que todos os problemas que eu tinha na minha vida inclusive a ejaculação precoce eram por causa da pornografia, depois de 1 ano tentando largar o vicio sem sucesso, em 2021 eu consegui ficar 4 meses longe e vi muitos beneficios, eu só consegui essa marca pois procurei ajuda de um psicologo sexologo, comecei a fazer academia, exclui minhas redes sociais e parei de ir a festas, tbm parei de beber e a usar drogas, esses 4 meses longe da pornografia eu me senti o cara mais foda do mundo mas voltei a estaca zero no final do ano depois de voltar a me drogar e beber, consequentemente isso me fez recair de volta ao vicio, cara nao vai ser nada facil mas o principal vc esta fazendo que é o seu diario aqui no forum, só é possivel por causa da ajuda que encontramos aqui, a maior dificuldade é achar a motivação certa pra largar o vicio, ela simplesmente apareceu pra mim e me fez chegar a marca de 4 meses, o mais foda é conseguir manter o foco depois de ficar bastante tempo longe dessa sujeira, eu achei q estava curado e por um descuido botei tudo a perder, minha dica é que vc tente da maneira que achar melhor e vá atualizando em seu diario, cada queda serve como aprendizado pra não cometer o mesmo erro, com as quedas vc vai achando os gatilhos e vendo quais atitudes evitar pra que vc não assista pornografia, estou acompanhando seu diario e desejo muita força pra vc

Sherok gosta desta mensagem

avatar
Estudante2058
Mensagens : 109
Data de inscrição : 10/10/2021

Desabafo - A procura da cura Empty Re: Desabafo - A procura da cura

9/1/2022, 11:26
Meu caro, o caminho é você abandonar, definitivamente (não pode ser abandono temporário), a pornografia e a masturbação. Faço questão de frisar que o abandono deve ser definitivo, pois ficar alguns dias e depois voltar ao vício não vai resolver. A causa você já descobriu: pornografia e masturbação. A solução é: abandonar a pornografia e a masturbação. Mas isso deve ser enxergado como um caminho sem volta. Uma vez decidido a abandonar esse mundo, coloque em sua cabeça que você não vai voltar atrás. Ou seja, uma vez iniciado o reboot, você não vai ficar zerando a contagem toda hora porque isso só vai atrasar o processo! Além disto, confie no método, pois muito cara gente boa recai por ficar questionando o reboot (será que funciona mesmo? como saber se estou curado?). Não faça isso, confie no método e espere algo em torno de 90 dias ou mais para que você se recupere. Quanto mais tempo, melhor. Apenas não resete a contagem.

Sherok e celipo gostam desta mensagem

avatar
Sherok
Mensagens : 2
Data de inscrição : 08/01/2022

Desabafo - A procura da cura Empty Re: Desabafo - A procura da cura

12/1/2022, 12:20
Sherok escreveu:Bom, não sei como começar mas, assim como a maioria, tive contato com pornografia muito cedo. Lembro como se fosse hoje: durante o intervalo da escola um amigo me mostrou no celular um site e desde esse dia nunca mais parei de assistir. Nunca passou pela minha cabeça que a masturbação e a pornografia pudessem ser um problema, pelo contrário, eu via como um acesso a um mundo até então desconhecido. Foram vários os dias que, mesmo sem vontade, eu acabava assistindo e consequentemente me masturbando por achar que tendo mais contato com aquilo eu estaria mais preparado, com mais experiência e performance na hora do ato sexual verdadeiro.

Só fui me dar conta do tamanho do problema que arrumei pra minha vida a partir das primeiras relações sexuais.

Com as primeiras garotas até que passou batido, foi bacana, não senti que tivesse nenhum problema. Libido normal, ereções normais. (Acho que era porque estava experimentando algo novo e o cérebro estava curtindo esse período de novidade). Mas a medida que o tempo passava o histórico de consumo de pornografia também aumentava. E foi aí que eu comecei a sentir e me preocupar com coisas que antes não me afetavam, como:  a falta de libido, ejaculações retardadas durante o sexo, necessidade da parceira finalizar com a boca ou mãos, dificuldade em manter as ereções no momento de colocar a camisinha ou de iniciar a penetração. Até que algo me frustrou totalmente: a disfunção erétil.

Desde o primeiro episódio de falta de libido eu já me preocupei bastante, era algo que me frustrava muito e me deixava extremamente ansioso. Pois, além de ser novo, sou saudável, pratico musculação todos os dias, me mantenho ativo e me alimento bem. Meus exames estavam em ordem (cheguei a ir ao endócrino algumas vezes para ver se era algo hormonal). Então isso, definitivamente, não era normal.

E, depois de muito tempo pesquisando sobre esses sintomas, tentando buscar as causas e soluções, consegui encontrar a culpada de tudo isso: a maldita pornografia.

Hoje, por sinal, eu já aprendi sobre praticamente todos os malefícios que ela pode causar, como ela atua e modifica nosso cérebro, nossos comportamentos e até mesmo nossa forma de enxergar o mundo e as pessoas. Mas, infelizmente, eu ainda não encontrei a solução. Me sinto rico de informação e conhecimento sobre as causas, os malefícios, os desdobramentos fisiológicos. Ao mesmo tempo que me sinto pobre sobre estratégias, métodos e caminhos para largar esse vício de uma vez por todas.

Por coincidência, encontrei esse fórum e os seus artigos após uma recaída severa. E escrevo aqui hoje com esperança de que alguém ainda acesse, leia o meu depoimento e possa me ajudar. Como vocês se libertaram? O que fizeram? Como fizeram? Quais foram as maiores dificuldades e como passaram por elas?

Enfim, são muitas perguntas porque estou de fato, convicto de que não apenas quero, mas preciso extinguir esse vício da minha vida. E também para que possa, futuramente, ajudar quem está nessa terrível situação.


Ainda estou aprendendo como atualizar meu diário por aqui (quero manter uma boa frequência de relatos para me disciplinar e poder ajudar quem está comigo nessa luta).

No momento, vivo uma série de recaídas. Consigo ficar sem por 2-3 dias, mas logo depois disso já caio novamente e as vezes até com uma quantidade maior do que da vez passada. Isso me desanima, mas não me tira do campo de batalha.

Segundo alguns estudos que fiz, a vontade de procurar  PMO está sempre relacionado com um acontecimento/sentimento prévio (que na maioria das vezes se desdobra na impotência). Você fica diante de algo: uma briga, um descontentamento, algum estresse, preguiça, procrastinação, raiva...e isso te afeta emocionalmente, porque você se sente impotente perante a isso. Você tem um problema e não sabe/quer resolvê-lo ali na hora. Como uma fuga, o seu cérebro rapidamente busca por aquilo que pode te dar mais prazer e em menos tempo, com menos esforço (afinal de contas você acabou de vivenciar algo que te deixou "mal", então você precisa de algo agora que te deixe "bem").

Numa análise prática, minha maior dificuldade hoje, é saber lidar com os momentos de tédio. Fiz um auto-estudo e acabei notando que os momentos que mais caio são os que eu não estou com a mente ocupada, imerso em algo que necessita da minha atenção. Nem mesmo os filmes, livros ou séries conseguem me prender.

Agora, por uma visão mais espiritual, mental, eu ainda não consigo compreender o que realmente estou sentindo no momento que sobe o desejo de PMO. E quando identifico, não consigo encontrar solução.

Entendem o que eu quero dizer? Que a PMO é apenas um sintoma, ela não é a doença de fato. E até agora não consegui encontrar a causa real dessa doença para poder tratá-la. Para alguns são problemas na infância, que estão fixados no subconsciente, que precisam ser ressignificados (até mesmo com ajuda profissional, é claro). Para outros foram algum trauma, bloqueio emocional, abuso. E para outros, são crenças conscientes e inconscientes: inferioridade, rejeição, necessidade de aprovação, validação, entre outras. Todas elas, potencializadas com o uso contínuo da pornografia. O que faz com que seja um ciclo sem fim. Eu ainda não encontrei a minha, estou buscando por ela.
Charada019
Charada019
Mensagens : 42
Data de inscrição : 27/12/2021

Desabafo - A procura da cura Empty Re: Desabafo - A procura da cura

12/1/2022, 14:25
Sherok escreveu:
Sherok escreveu:Bom, não sei como começar mas, assim como a maioria, tive contato com pornografia muito cedo. Lembro como se fosse hoje: durante o intervalo da escola um amigo me mostrou no celular um site e desde esse dia nunca mais parei de assistir. Nunca passou pela minha cabeça que a masturbação e a pornografia pudessem ser um problema, pelo contrário, eu via como um acesso a um mundo até então desconhecido. Foram vários os dias que, mesmo sem vontade, eu acabava assistindo e consequentemente me masturbando por achar que tendo mais contato com aquilo eu estaria mais preparado, com mais experiência e performance na hora do ato sexual verdadeiro.

Só fui me dar conta do tamanho do problema que arrumei pra minha vida a partir das primeiras relações sexuais.

Com as primeiras garotas até que passou batido, foi bacana, não senti que tivesse nenhum problema. Libido normal, ereções normais. (Acho que era porque estava experimentando algo novo e o cérebro estava curtindo esse período de novidade). Mas a medida que o tempo passava o histórico de consumo de pornografia também aumentava. E foi aí que eu comecei a sentir e me preocupar com coisas que antes não me afetavam, como:  a falta de libido, ejaculações retardadas durante o sexo, necessidade da parceira finalizar com a boca ou mãos, dificuldade em manter as ereções no momento de colocar a camisinha ou de iniciar a penetração. Até que algo me frustrou totalmente: a disfunção erétil.

Desde o primeiro episódio de falta de libido eu já me preocupei bastante, era algo que me frustrava muito e me deixava extremamente ansioso. Pois, além de ser novo, sou saudável, pratico musculação todos os dias, me mantenho ativo e me alimento bem. Meus exames estavam em ordem (cheguei a ir ao endócrino algumas vezes para ver se era algo hormonal). Então isso, definitivamente, não era normal.

E, depois de muito tempo pesquisando sobre esses sintomas, tentando buscar as causas e soluções, consegui encontrar a culpada de tudo isso: a maldita pornografia.

Hoje, por sinal, eu já aprendi sobre praticamente todos os malefícios que ela pode causar, como ela atua e modifica nosso cérebro, nossos comportamentos e até mesmo nossa forma de enxergar o mundo e as pessoas. Mas, infelizmente, eu ainda não encontrei a solução. Me sinto rico de informação e conhecimento sobre as causas, os malefícios, os desdobramentos fisiológicos. Ao mesmo tempo que me sinto pobre sobre estratégias, métodos e caminhos para largar esse vício de uma vez por todas.

Por coincidência, encontrei esse fórum e os seus artigos após uma recaída severa. E escrevo aqui hoje com esperança de que alguém ainda acesse, leia o meu depoimento e possa me ajudar. Como vocês se libertaram? O que fizeram? Como fizeram? Quais foram as maiores dificuldades e como passaram por elas?

Enfim, são muitas perguntas porque estou de fato, convicto de que não apenas quero, mas preciso extinguir esse vício da minha vida. E também para que possa, futuramente, ajudar quem está nessa terrível situação.


Ainda estou aprendendo como atualizar meu diário por aqui (quero manter uma boa frequência de relatos para me disciplinar e poder ajudar quem está comigo nessa luta).

No momento, vivo uma série de recaídas. Consigo ficar sem por 2-3 dias, mas logo depois disso já caio novamente e as vezes até com uma quantidade maior do que da vez passada. Isso me desanima, mas não me tira do campo de batalha.

Segundo alguns estudos que fiz, a vontade de procurar  PMO está sempre relacionado com um acontecimento/sentimento prévio (que na maioria das vezes se desdobra na impotência). Você fica diante de algo: uma briga, um descontentamento, algum estresse, preguiça, procrastinação, raiva...e isso te afeta emocionalmente, porque você se sente impotente perante a isso. Você tem um problema e não sabe/quer resolvê-lo ali na hora. Como uma fuga, o seu cérebro rapidamente busca por aquilo que pode te dar mais prazer e em menos tempo, com menos esforço (afinal de contas você acabou de vivenciar algo que te deixou "mal", então você precisa de algo agora que te deixe "bem").

Numa análise prática, minha maior dificuldade hoje, é saber lidar com os momentos de tédio. Fiz um auto-estudo e acabei notando que os momentos que mais caio são os que eu não estou com a mente ocupada, imerso em algo que necessita da minha atenção. Nem mesmo os filmes, livros ou séries conseguem me prender.

Agora, por uma visão mais espiritual, mental, eu ainda não consigo compreender o que realmente estou sentindo no momento que sobe o desejo de PMO. E quando identifico, não consigo encontrar solução.

Entendem o que eu quero dizer? Que a PMO é apenas um sintoma, ela não é a doença de fato. E até agora não consegui encontrar a causa real dessa doença para poder tratá-la. Para alguns são problemas na infância, que estão fixados no subconsciente, que precisam ser ressignificados (até mesmo com ajuda profissional, é claro). Para outros foram algum trauma, bloqueio emocional, abuso. E para outros, são crenças conscientes e inconscientes: inferioridade, rejeição, necessidade de aprovação, validação, entre outras. Todas elas, potencializadas com o uso contínuo da pornografia. O que faz com que seja um ciclo sem fim. Eu ainda não encontrei a minha, estou buscando por ela.
Vc disse tudo mano, buscamos a PMO pra sentirmos prazer rapido e elevarmos o nivel de dopamina no cerebro, o que me ajudou a ficar 4 meses longe do vicio foi trocar o prazer da PMO pelo prazer da academia, com frequencia fazendo exercicios eu ensinei meu corpo que a unica fonte de prazer que eu precisava era o da academia, nosso corpo necessita de prazer independente do que seja e vc precisa achar a sua fonte que não seja a pornografia, leia esse livro “ seu cerebro na pornografia “ vc vai entender exatamente o que está passando em sua cabeça

Link do pdf: https://docero.com.br/doc/xxe0sse

Sherok gosta desta mensagem

Ir para o topo
Permissões neste fórum
Você não pode responder aos tópicos