Ir para baixo
avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Sem esperança

12/6/2022, 20:22
Olá... Sou nova aqui, mas já li praticamente todas as histórias da seção das companheiras de rebooters.

Me chamo Amora, tenho 41 anos e conheci o José, meu marido, a 4 anos atrás em um aplicativo de relacionamento. Eu sou bi, na verdade estava procurando uma namorada, mas na segunda vez que saímos eu já desinstalei o app e não quis saber de mais ninguém. A gente realmente combinava, dava risada das mesmas coisas, detestava as mesmas pessoas, tinha um gosto musical e para filmes muito parecido. Sexualmente éramos muito ativos, eu nunca tinha tido isso com nenhum outro homem. Ele parecia perfeito. Eu morava sozinha na minha casa própria e ele morava no apartamento dele, em um mês já estávamos morando juntos na minha casa. Pode parecer precipitado, mas na época ele passava mais tempo aqui do que na casa dele, nós dois planejávamos voltar para a faculdade, então nada mais natural do que morar junto em um lugar só e tirar renda do outro.

Eu fui a primeira namorada dele, na época com 34 anos. Eu sou 4 anos mais velha que ele, já namorei com mulheres e com homens, mas isso nunca foi problema para nós, pq o que tínhamos era realmente diferente. Assim que começamos a morar junto, dormíamos na mesma cama, mas eu tenho muita dificuldade pra dormir e ele roncava bastante e se mexia a noite inteira. Muitas noites eu passava em claro pq não conseguia pregar o olho 10 minutos, e no dia seguinte ele estava descansado e eu morrendo de sono. Voltei a tomar remédio para insônia. Algumas vezes acordei de madrugada e vi ele no celular, mas logo ele escondia e eu fingia que não via. Resolvemos dormir separados pq realmente eu dormia mal. Ele ia pro banheiro com o celular várias vezes por dia e ficava mais de uma hora lá trancado, eu ficava apertada pra fazer xixi e acabava fazendo xixi na grama, pq não queria ser invasiva com ele. Hoje eu sei que ele não estava fazendo suas necessidades...

avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

12/6/2022, 20:37
... continuando...

Em agosto de 2018, tive uma gripe forte que me derrubou um dia inteiro. Ele foi para o escritório aqui da casa e vinha de vez em quando ver como eu estava. Fim do dia estava me sentindo um pouco melhor e fui anunciar algumas coisas para venda naquele site conhecido, mas não coloquei a letra O na frente... De repente surgiu um monte de url recentemente aberta de pornografia na última hora só de "novinha". Mais de 200 páginas...em menos de uma hora. Aquilo foi pior que um soco na cara. Eu sofri abuso dos 6 aos 11 anos por um adulto pervertido e agora o cara que eu escolhi para viver comigo consumia esse tipo de conteúdo? Respirei fundo, pensei em como conversar. Eu precisava falar com ele, mas não queria ser invasiva ou moralista.
Desci e conversamos.
Expliquei que "novinha" é criança, adolescente. Falei que não tinha problema com ele ter as fantasias dele, mas que tomasse cuidado com o conteúdo que consumia. Falei pra ele o que passei na infância, perguntei se ele estava insatisfeito com nossa vida sexual, que eu não gostava de pornografia mas que se ele quisesse assistir que limitasse o tempo e que cuidasse do que assistia, afinal ele é adulto e tem discernimento.

Mal sabia que era só a ponta do iceberg...
avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

12/6/2022, 21:07
...Ele me falou que tinham enviado para ele, que era de um grupo do whatsapp, enfim, não assumiu que estava procurando. Por fim, disse que não ia mais ver esses vídeos, que só ia assistir de adultos. ok.

Alguns dias depois, foi meu aniversário. Saímos para comer um lanche e, na volta, passou uma mulher com roupa justa de academia. Ele chegou a virar o pescoço pra olhar a bunda dela enquanto dirigia e ainda soltou um ÔÔÔôô... Não sou ciumenta, mas aquilo me incomodou, me senti desrespeitada, ainda mais no dia do meu aniversário. Eu tinha bebido um pouco, quando chegamos em casa falei pra ele se ele ia gostar que eu fizesse isso com ele... Se ele achava que tava arrasando... Que ele estava desrespeitando a garota e principalmente a mim, que nenhuma de nós merecia aquilo. Ela não merecia ser tratada como um pedaço de carne de churrasco só pq estava indo malhar de roupa justa e eu não merecia ser menosprezada pq estava passando alguém 'melhor' na frente dele. A gente discutiu e ele pegou a chave do carro e foi pra casa dos pais. Me deixou sozinha na noite do meu aniversário.

Covarde.

Eu perdoei e deixei quieto. Voltamos a estudar, ele não teve nenhuma dificuldade com a universidade. Eu tive dificuldade com a universidade, com as matérias, com a socialização... Estudei em escola pública, venho de família disfuncional, tenho depressão e distúrbio de stress pós traumático. Mas apesar das dificuldades, eu estava muito feliz! Logo em seguida ele conseguiu uma bolsa de pesquisa e podia trabalhar do notebook em qualquer lugar. Muitos finais de semana ele ia pro escritório "trabalhar" e eu ficava limpando a casa, fazendo comida, lavando roupa, organizando nossa semana. Eu ficava triste pq queria a companhia dele, mas respeitava e incentivava pq sempre achei que viver junto é pra isso: se ajudar, se respeitar e se incentivar, o quanto for possível. Tudo foi nesse sentido até as aulas serem suspensas devido o covid, em março de 2020.

avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

12/6/2022, 21:44
...Ficamos em casa. Durante um ano, nossa rotina foi acordar, tomar café, eu ia arrumar a casa e ele ia pro escritório. Eu levava frutas para ele no meio da manhã, e ele sempre ficava meio desconcertado e fechava várias guias... mas eu não ficava bisbilhotando. Almoçávamos juntos, e ele rapidinho dava um jeito de voltar logo pro escritório até umas 20 horas. Comecei a ficar desconfiada, pq a bolsa de pesquisa dele era de 20 horas por semana, e ele fazia isso fácil em dois dias. Não tinha tanta atividade da faculdade para fazer... Um dia perguntei para ele o que tanto ele fazia na internet. Ele desconversou, disse que estava organizando coisas que os outros tinham deixado incompletos... Eu fui muito inocente. Agora, escrevendo e desabafando tudo isso, eu vejo que tenho sim motivos para desconfiar ainda.

Um ano depois, ainda isolados, eu percebi que ele começou a colocar barreiras visuais para eu não ver o que ele estava acessando no escritório. Ventilador na frente do monitor, TV estragada em um local que bloqueava a visão... E eu ouvindo o click, click, click do mouse. Depois de 3 anos, resolvi ver com meus próprios olhos e parar de acreditar no que ele me falava. Lá estava o cara que eu amava, vendo, revendo, voltando, colocando em slow motion uma cena de desconhecidos transando. Fingindo que trabalhava, enquanto eu fazia todo o trabalho de casa. Eu fiquei decepcionada, triste, mas voltei e terminei nosso almoço. Depois, abri o jogo com ele. Falei que me sentia incomodada, que não era justo, que eu sabia que isso fazia ele ser apático no nosso relacionamento... Enfim. Ele não argumenta nada nessas conversas, é horrível. Eu me sinto sempre errada, pq só eu que falo, só eu me incomodo com as coisas, só eu que faço força pras coisas darem certo. Falei que já tinha visto ele de madrugada no celular, ele me falou que sim, estava assistindo porno. Que sim, estava viciado. Fiz a proposta dele se afastar do celular e do computador, pelo menos por alguns dias. O trabalho dele já estava adiantado, então ele aceitou. Eu tinha um celular antigo, tirei o chip e deixei com ele pra ele colocar alarme, ver a hora, essas coisas.

Um mês depois, ele estava fazendo alguns trabalhos de jardim aqui em casa, e eu vi o celular do lado da cama dele. Fiz o que nunca tinha feito: bisbilhotei o celular. Tinha acesso recente a material erótico, pornografia, fotos de instagram de colegas nossas de biquini, e mais de 10 instalações de aplicativos de "relacionamento".

Ele instalava e logo em seguida desinstalava. De todo tipo de app. Aquilo não foi um soco, foi um tiro no peito. Eu senti vontade de bater nele. De jogar uma pedra. De jogar o carro em cima. Meu Deus, como pode?!!?!?? Eu confiei. Eu escutei. Eu perdoei. Aceitei tanta coisa! Mas a única ciosa que fiz foi arrumar uma mochila e sair. Fui dormir fora. Fui pra casa de uma conhecida que nem sabia que eu estava casada, ela nem fez perguntas. Só falei que estava chorando pq tinha brigado com meu pai de novo. Embarassed Eu não conseguia olhar na cara dele.
Antônio71
Antônio71
Moderador
Moderador
Mensagens : 1143
Data de inscrição : 16/01/2016
Idade : 50

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

13/6/2022, 13:26
Oi, Amora, boa tarde! Eu sei que não é fácil. Atualmente eu estou muito bem casado e feliz com minha companheira, mas, no passado, acabei o relacionamento e a fiz sofrer muito por causa da pornografia.

Veja, o viciado em pornografia, não é um "pervertido ", um "safado", ele é uma pessoa profundamente doente.

Quando eu me viciei em pornografia eu destruí vários relacionamentos, entre eles 2 noivados.

Quem tem receptores saturados de dopamina, não sente prazer com nada e não se satisfaz com mulher alguma. Sempre está irritadiço, avoado, inconstante...

Faz 6 anos que me libertei desse vício e hoje sou extremamente feliz com a mesma mulher que desprezei no passado.

Não caia na tentação de julgar nem a ele e muito menos a você.

Sugiro fortemente que você o convide para entrar nesse fórum, se possível, faça até junto com ele.

Se ele não quiser de jeito nenhum, continue você mesma participando. Isso vai lhe dar uma experiência e uma visão de mundo incríveis.

Ajude também outras mulheres e rebooters desse fórum. Leia as histórias de sucesso, mas também participe dos diários daqueles que vivem recaindo.

Se você agir assim, você sairá amadurecida e fortalecida, tanto para investir no seu relacionamento, como também para acabar e seguir adiante.

Siga o seu coração, a sua compaixão e o amor que você sente por ele e por você.

_______________________________________
avatar
Rebirth1986
Mensagens : 6
Data de inscrição : 12/06/2022

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

14/6/2022, 12:25
Antônio71 escreveu:Oi, Amora, boa tarde! Eu sei que não é fácil.  Atualmente eu estou muito bem casado e feliz com minha companheira,  mas, no passado,  acabei o relacionamento e a fiz sofrer muito por causa da pornografia.

Veja, o viciado em pornografia,  não é um "pervertido ", um "safado", ele é uma pessoa profundamente doente.

Quando eu me viciei em pornografia eu destruí vários relacionamentos, entre eles 2 noivados.

Quem tem receptores saturados de dopamina, não sente prazer com nada e não se satisfaz com mulher alguma. Sempre está irritadiço, avoado, inconstante...

Faz 6 anos que me libertei desse vício e hoje sou extremamente feliz com a mesma mulher que desprezei no passado.

Não caia na tentação de julgar nem a ele e muito menos a você.

Sugiro fortemente que você o convide para entrar nesse fórum,  se possível,  faça até junto com ele.

Se ele não quiser de jeito nenhum, continue você mesma participando. Isso vai lhe dar uma experiência e uma visão de mundo incríveis.

Ajude também outras mulheres e rebooters desse fórum. Leia as histórias de sucesso, mas também participe dos diários daqueles que vivem recaindo.

Se você agir assim, você sairá amadurecida e fortalecida, tanto para investir no seu relacionamento,  como também para acabar e seguir adiante.

Siga o seu coração,  a sua compaixão e o amor que você sente por ele e por você.

Caramba...avoado..irritado...inconstante...me definiu!! Que tristeza!
avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

14/6/2022, 16:11
Antônio71 escreveu:Oi, Amora, boa tarde! Eu sei que não é fácil.  Atualmente eu estou muito bem casado e feliz com minha companheira,  mas, no passado,  acabei o relacionamento e a fiz sofrer muito por causa da pornografia.

Veja, o viciado em pornografia,  não é um "pervertido ", um "safado", ele é uma pessoa profundamente doente.

Quando eu me viciei em pornografia eu destruí vários relacionamentos, entre eles 2 noivados.

Quem tem receptores saturados de dopamina, não sente prazer com nada e não se satisfaz com mulher alguma. Sempre está irritadiço, avoado, inconstante...

Faz 6 anos que me libertei desse vício e hoje sou extremamente feliz com a mesma mulher que desprezei no passado.

Não caia na tentação de julgar nem a ele e muito menos a você.

Sugiro fortemente que você o convide para entrar nesse fórum,  se possível,  faça até junto com ele.

Se ele não quiser de jeito nenhum, continue você mesma participando. Isso vai lhe dar uma experiência e uma visão de mundo incríveis.

Ajude também outras mulheres e rebooters desse fórum. Leia as histórias de sucesso, mas também participe dos diários daqueles que vivem recaindo.

Se você agir assim, você sairá amadurecida e fortalecida, tanto para investir no seu relacionamento,  como também para acabar e seguir adiante.

Siga o seu coração,  a sua compaixão e o amor que você sente por ele e por você.

Então Antônio, eu não me referi a ele como pervertido, e sim ao adulto que abusou de mim quando eu era criança. Já falei várias vezes para ele entrar no fórum, mas ele não quer. Abaixo vou continuar minha versão da história, pq sobre isso não tenho com quem desabafar e meu terapeuta não entende como a pornografia pode ser um vício.
avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

14/6/2022, 16:30
...Voltei pra casa no dia seguinte.

Ele não negou nada, ainda me falou de outras pessoas que ele procurou estando junto comigo. Foi horrível. Nunca tinha sentido tanto ódio, principalmente de mim, por não ter enxergado, por ter confiado tanto em alguém que nunca foi digno da minha confiança. Mesmo assim, perdoei e ajudei ele a definir algumas metas, inclusive a ficar longe (de verdade) de celular, computador e tv. Passear com os cachorros, fazer yoga, se aproximar mais da família dele, ser mais participativo nas coisas aqui de casa e não deixar toda a responsabilidade nas minhas costas.

Lógico que em pouco mais de dois meses ele já estava com o notebook na cama de manhã cedo enquanto eu dormia, "assistindo série". Isso foi em Agosto de 2021.

Dessa vez a condição pra gente continuar junto foi instalar um bloqueador (Blocker X) e fazer o programa REVERT. Também voltar a fazer terapia, que ele tinha parado. Dessa vez eu nem sofri com a perspectiva de ficar 90 dias sem sexo, pq com tanta mentira a minha libido já estava lá no dedinho do pé. È tanta tristeza que a gente começa a sentir repulsa ao invés de tesão.

O REVERT funcionou, por um tempo. Ele fez um diário físico (não sei se escrevia todos os dias), se abria mais comigo e, o mais importante, fazia os exercícios, lia os textos e assistia os vídeos do programa. Eu comecei a perceber que ele não ficava mais secando as mulheres na rua, começou a ter uma postura mais ereta, começou a cuidar mais da aparência, realmente prestava atenção no que eu dizia. Eu estava tendo meu marido de volta.
avatar
Amora
Mensagens : 7
Data de inscrição : 16/04/2021

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

14/6/2022, 17:00
...Então eu meio que relaxei de ficar controlando os horários, o celular e o computador. A fase boa durou pouco. Em março desse ano, eu percebi ele olhando de novo para outras mulheres (na minha frente... Evil or Very Mad ). Tivemos uma discussão e ele de novo foi pra casa dos pais. Mas dessa vez, o propósito era assistir pornografia. Recebi o email do blockerX as 2 da madrugada dizendo que ele desinstalou o bloqueador, enquanto eu me acabava de chorar sozinha em casa. Ele só voltou depois de dois dias, e com um celular novo que o pai dele deu pra ele. Rolling Eyes

Desde então, nossas aulas presenciais voltaram e com isso, o acesso ao notebook e celular também. Algumas vezes vi que ele acordava mais cedo pra procurar putaria em Netflix e Youtube, mas achei que ele ia parar. Não parou. O acesso (e as mentiras) só aumentam. Não consigo mais confiar. Domingo, dia dos namorados, discutimos de novo. Eu sei que é um vício, que é uma doença, mas parece que quem sofre com tudo isso e se prejudica sou só eu. Tem dois dias que não consigo parar de chorar, não consigo sair de casa, não vou pra aula, não estudo. Mas a vida dele tá normal. Não consigo olhar pra cara dele, não consigo sentir mais nada de bom, não tenho mais vontade de ajudar. Não vejo nele força de vontade nenhuma, só toma iniciativa de melhorar quando a coisa tá feia e é por pouco tempo. São 14 meses de promessas furadas, de mentiras e de falar que se sente sufocado. È cansativo demais. Desesperador.
Spartacuz
Spartacuz
Mensagens : 392
Data de inscrição : 17/10/2016

Sem esperança Empty Re: Sem esperança

21/6/2022, 12:26
Se ele está ciente que isso prejudica a relação, então recomendo a larga-lo. Você só vive uma vez, ficar nesse estado por uma pessoa que não liga para os seus sentimentos é perder tempo. Mas se ele quiser mudar, então apoio a você continuar com ele e ir até o fim.

_______________________________________
“O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar inteligente sobre nós mesmos” -  Marguerite Yourcenar.



Contador:
Ir para o topo
Permissões neste sub-fórum
Não podes responder a tópicos