Ir para baixo
gabriel22
gabriel22
Mensagens : 6
Data de inscrição : 16/08/2015
Idade : 28

Reboot - Uma nova vida Empty Reboot - Uma nova vida

7/4/2017, 15:04
Olá pessoal, como vão as coisas?

Finalmente tive coragem e disposição para fazer o meu diário, estava sentindo muita resistência, mas agora vai, vou buscar sintetizar a minha história com os pontos mais importantes. Tenho 23 anos, sou viciado em PMO desde 2009, descobri sobre o vício em 2015 através de pesquisas pela internet; eu já percebia desde 2011 que tinha algo errado devido a minha DE, incluindo outros sintomas que foram se acumulando, como: excesso de ansiedade, exaustão nos dias em que eu praticava muita PMO, baixa autoestima, insatisfação com o corpo, muita procrastinação nos estudos e dificuldades nos relacionamentos amorosos. De lá para cá, tentei algumas poucas vezes o reboot de forma realmente séria, cheguei a ficar 65 dias em hardmode, e foi ótimo, senti uma melhora fantástica em todos os sintomas que eu relatei anteriormente, porém acabei baixando a guarda, como eu estava tendo ereções constantes, me autoenganei (típico dos viciados), comecei praticando edging  (masturbação sem ejaculação) e depois de um tempo acabei voltando para a pornografia a fim de aliviar frustrações e preocupações que eu estava vivenciando. Acredito que nada no meu percurso foi em vão, fui me fortalecendo, e além do mais, os efeitos do reboot são cumulativos. Diante disso, agora sempre analiso o que me leva a compulsão, para que eu possa intervir com antecedência sobre tais questões, buscando uma reelaboração sempre que possível. A s questões que mais me incomodam e me fazem voltar ao vício, resumidamente são três: problemas familiares, dificuldades financeiras e falta de autoaceitação por completo da minha sexualidade - inclusive esse aspecto é o que eu julgo como sendo o que provavelmente me deixou mais vulnerável e me levou ao vício, tendo o intuito (inconsciente) de mascarar esse desafio que eu não sabia como lidar. Sou introspectivo, e aprendi que isso pode me ajudar ou atrapalhar, dependendo das minhas atitudes e de como eu manejo e interpreto isso, ou seja, a característica por si só não é um defeito, inclusive ela faz com que eu reflita mais antes de falar e saiba ouvir as pessoas, mas ouvir mesmo! haha não apenas fingir que está ouvindo. Dois assuntos que gostos muito de estudar é sobre espiritualidade e sexualidade, inclusive esses estudos me ajudaram grandemente a reelaborar e simbolizar as minhas vivências de desamparo, incompreensão e intolerância. Foram muitos textos, livros, vídeos, filmes, até que eu adquirisse a percepção que tenho hoje. Como dizem, há males que vem para o bem, e foi a partir dos comentários negativos que eu havia ouvido, que me motivaram a busca pelo conhecimento, e assim, mudando primeiramente a mim, para que os outros consequentemente mudassem também no seu tempo, pois vejo as relações de modo dinâmico. E na minha realidade, também aprendi que há coisas que simplesmente não temos como mudar, e essas a gente aceita e deixa de se preocupar, cada um tem o seu tempo; e o que não tem solução, já está resolvido. Sobre isso, eu me refiro principalmente a algumas relações familiares que eram complicadas de se lidar e ao meu namoro que acabou há alguns anos. Pois bem, falei desses vários aspectos, pois como sabemos, o vício não surge por acaso, antes dele, já havia alguma questão mal resolvida, algum trauma, algum aspecto da nossa vida que a gente não consegue ou não tem coragem de trabalhar. Sendo assim, conforme a gente vai persistindo no reboot e também mudando a nossa vida (que é imprescindível também), vai adquirindo consciência, e o vício vai perdendo o sentido.


Eu defini os objetivos do por que eu estar fazendo o reboot, a fim de que eu sempre se lembre deles quando tiver nos momentos difíceis:
1.  Conquistar uma carreira profissional que me proporcione estabilidade e que eu possa ajudar as pessoas a partir dela, de alguma forma; 2. Um relacionamento sério, tendo uma vida sexual saudável; 3. Quero estudar e compreender melhor a minha vivência sexual a partir de uma vertente transcendental, acreditando que o sexo, para muito além de uma necessidade, possibilita um encontro com o outro, que envolve troca de energias, devendo assim, haver cordialidade e respeito por si e pelo outro; 4. Quero ter equilíbrio com a minha espiritualidade, fazendo uma contínua reforma íntima, buscando evoluir todos os dias, adquirir discernimento e ser cada vez mais humilde, responsável, ético e disciplinado; 5. Ajudar as pessoas com as minhas experiências e com o meu respectivo conhecimento adquirido, para que não cometam os mesmos erros.

E por fim, as principais técnicas que utilizarei:
1.  Ocupar meu tempo com atividades produtivas, incluindo coisas que eu gosto de fazer;
2. Orar para agradecer por tudo na minha vida e pedir força e proteção;
3. Redução drástica do uso das redes sociais;
4. Quando estiver na fissura: banho frio/ respirar profundamente/focar no agora (ser testemunha dos meus pensamentos e emoções)/ fazer algum exercício na rua ou em casa (alongamento/corrida estacionária/agachamento/lunge/caminhada...).
5. Praticar EFT e Grabovoi (Conheci essas técnicas navegando pela internet e achei-as muito interessantes, como sei que pouca gente deve conhecer, colcarei estes links que explicam de modo simplista e resumido como funcionam: http://www.emofree.com.br/eft.html e https://estudegrabovoi.wordpress.com/2016/01/27/o-que-e-o-metodo-grabovoi/).  

Estou há três dias em hardmode, sem nenhum tipo de pornografia (o que inclui contos e imagens, digo isso, pois eu inventava pra mim que esses dois podiam) e não fico alimentando as fantasias que surgem. E é isso, fiquem a vontade para perguntar o que quiserem, incluindo sobre algum termo que eu usei e vocês querem saber mais. Ajudarei em tudo o que eu puder, esse é o meu intuito, compartilhar conhecimentos e experiências para lhes ajudar da mesma forma que ler os comentários de vocês tem me ajudado grandiosamente e assim, facilitado essa jornada. Também buscarei interagir com vocês, lendo os diários e colaborando sempre que possível.

Abraços.
Artur Monteiro
Artur Monteiro
Mensagens : 171
Data de inscrição : 05/03/2015
Idade : 33
Localização : França Paris

Reboot - Uma nova vida Empty Re: Reboot - Uma nova vida

7/4/2017, 17:59
Boas Gabriel.

65 dias!!! Porra muito a cima dos meus recordes. Parabéns

Também estou agora a iniciar o meu diário, e percebi que andamos os dois com o mesmo tempo. Só não tive 65 dias limpos para trás. Espero lá chegar.

Força vamos em frente.

_______________________________________
MEU DIÁRIO:
https://www.comoparar.com/t4903-diario-artur-vicio-p-vs-paixoes-desordenadas

RECORDS:
P - 46 dias
M - 32 dias
O - 24 dias Janeiro 2018
gabriel22
gabriel22
Mensagens : 6
Data de inscrição : 16/08/2015
Idade : 28

Reboot - Uma nova vida Empty E continua o processo...

10/4/2017, 20:00
Esses dias estão sendo razoavelmente tranquilos, senti vontade, mas ainda não fiquei na fissura, ao contrário de outras tentativas; provavelmente porque não consumi nenhum tipo de pornografia, nem gastei minhas energias fantasiando. Sei que nesses momentos de calmaria, devemos manter a vigilância redobrada. Estou no período de flatline, o que também facilita manter-se em hardmode, visto que a libido está lá em baixo. Fiz uma prova muito importante esse fim de semana, tive um resultado bom, porém não como eu esperava, sei que tenho chance de passar, mas bateu aquele sentimento de frustração. Como eu vi que se eu ficasse nutrindo isso, em breve me levaria a uma recaída, busquei ressignificar essa vivência e ver pelo lado bom, vendo o que eu poderia tirar de aprendizado; vi que eu estava sendo muito ingrato atualmente, visto que eu havia resolvido vários problemas, e que muita gente havia me ajudado, porém eu só focava no que não saía como eu esperava. Pensar nisso me fez se resignar (aceitar) aquilo que não pode ser mudado (o passado) e agir de modo diferente no agora, inclusive sendo mais grato, vivenciando - e não só falando sobre - a minha espiritualidade, orando conforme a seguinte sequência que eu vi: 1. Respire profundamente umas 20 vezes, 2. Agradeça pelas coisas boas da sua vida, sempre há muito o que agradecer que nos passa despercebido, 3. Pedir por aqueles que sofrem e passam por dificuldades maiores do que a gente, 4. Por último, fazer o(s) nosso(s) pedido(s). Acredito que independente da crença de cada um, seja qual for a religião, ou se acredita em Deus, ou não, o ato de nutrir a gratidão eleva os nossos pensamentos, nos transmite uma energia boa, faz a gente vibrar positivamente e assim nos traz mais paz e mais daquilo que a gente agradece. Muitas vezes as coisas não saem como havíamos planejado, todos nós erramos; mas ao invés de nutrir revolta e desespero, o melhor é aprender com estes erros e ver o lado bom, e por mais que muitas vezes seja difícil perceber, acredite, sempre há. Prossigamos na luta!
Ir para o topo
Permissões neste fórum
Você não pode responder aos tópicos